Reunidos em assembleia geral no dia 08/06, os docentes avaliaram os primeiros dias da greve iniciada no dia 30/05. Nessa data, o Cruesp se reuniu com o Fórum das Seis e, após reafirmar sua primeira proposta de reajuste de 3%, encerrou unilateralmente as negociações.
 
Por deliberação da assembleia geral do dia 31/05, a Adusp encaminhou um pedido de audiência à Reitoria da USP para solicitar a reabertura das negociações e a retirada de pauta da proposta sobre "carreira docente" e avaliação institucional, atualmente em elaboração. Até o presente momento, o ofício não foi respondido. A Reitoria adiou a deliberação sobre a proposta de avaliação docente e institucional para a reunião do Co de agosto, anteriormente prevista para a reunião de junho.
 
Avaliou-se também que a postura dos representantes da Reitoria no I Encontro de Docentes, acontecido no dia 06/06, tendo como pauta a proposta de avaliação docente e institucional, revelou a necessidade de permanecermos mobili­za­dos.
 
A partir desse quadro, a assembleia deliberou:
  • CONTINUIDADE DA GREVE;
  • realização da próxima assembleia geral no dia 14/06 (terça-feira), às 9h, no Anfiteatro da Geografia;
  • divulgação e participação no Ato público unificado com passeata até o Palácio dos Bandeirantes, chamado pelo Fórum das Seis para o dia 15/06 (quarta-feira);
  • divulgação de manifesto pelo diálogo e contra a criminalização dos movimentos (veja abaixo);
  • participação na Audiência Pública  sobre LDO na Assembleia Legislativa (ALESP), 17/06 (sexta-feira);
  • inclusão da palavra de ordem "Fora Temer!" no mate­rial da greve;
  • realização de debates e aulas públicas;

 

Preocupados com o acirramento das tensões observadas nas diferentes unidades da USP, os docentes aprovaram o seguinte texto:

  ...

Manifesto pelo diálogo e contra a criminalização dos movimentos

A Assembleia da ADUSP de 08/06/2016 reafirma que as pautas dos movimentos estudantil, dos funcionários e dos docentes são convergentes na defesa da universidade pública, em prol de sua democratização e contra as ameaças de desmonte que pesam sobre ela. 
 
Nesse sentido, os docentes se comprometem a persistir no cultivo do convívio democrático, pautado pelo diálogo e pelo respeito à diversidade das categorias. 
 
Reafirmamos nossa firme defesa dos direitos à livre manifestação e à greve, e nos manifestamos contra o corte arbitrário do ponto dos servidores técnico-administrativos e contra a criminalização dos movimentos reivindicatórios.
 
...

 

Contra o desmonte da Universidade, reiteramos nossa pauta:

  • pela retirada do conjunto das propostas da Reitoria sobre "carreira docente" e avaliação institucional;
  • não ao arrocho salarial;
  • pela contratação imediata de docentes e funcionários técnico-administrativos para recompor o quadro funcional da universidade;
  • pela abertura de todas as contas da universidade;
  • não à manobra do governo do Estado no repasse dos recursos do ICMS às universidades;
  • não à destruição do patrimônio da universidade que se expressa nos ataques ao HU, HRAC, creches e Escola de Aplicação, entre outros.
  • Em defesa da autonomia da universidade!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Visitas da diretoria da Adusp

Privatização / Conflito de interesses / Fundações

  • MPE-SP processa professor Lancha Jr. por uso indevido de bolsa da Fapesp

    O  Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE-SP) está acusando o professor titular Antônio Herbert Lancha Jr., da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE), de utilizar indevidamente recursos cedidos pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), incorrendo em crime de improbidade administrativa.
  • USP perdeu 500 professores efetivos desde 2014

    O número geral de docentes da Universidade de São Paulo caiu de 6.207, em setembro de 2014 (primeiro ano da gestão M.A. Zago-Vahan Agopyan), para 5.853 em fevereiro de 2018. Portanto, uma queda de 354 professores no corpo docente em pouco mais de três anos. Porém, o cenário é ainda mais grave quando computadas as perdas sofridas no quadro de professores efetivos. Como a maior parte da reposição de vagas abertas nesse período se deu por meio da contratação de professores precários (temporários), para voltar ao patamar de 2014 a USP precisa repor, atualmente, nada menos do que 499 docentes efetivos, na quase totalidade das unidades, isso sem incluir a reposição das aposentadorias.
  • Marcado para 27/2 julgamento da ação contra Lancha Jr. por improbidade no caso “Bod Pod”

    A 15a Vara da Fazenda Pública agendou para o dia 27/2/2018, às 14h00, a audiência de instrução (oitiva de testemunhas) e julgamento da ação judicial movida pelo Ministério Público (MPE-SP) contra o professor titular Antonio Herbert Lancha Jr., da Escola de Educação Física e Esportes (EEFE), por improbidade administrativa e enriquecimento ilícito. A ação ajuizada pela 5a Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social da Capital diz respeito ao uso privado de um aparelho “Bod Pod”, adquirido pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pertencente à EEFE.
  • Recurso de Gualano empata (40 a 40) e “voto de minerva” do reitor endossa parecer da CLR

    A reunião do Co de 21/11 apreciou dois recursos de docentes contra decisões de suas respectivas congregações: do professor Bruno Gualano, da Escola de Educação Física e Esportes (EEFE), e da professora Marilda Ginez de Lara, da Escola de Comunicações e Artes (ECA).
  • Estudantes de Medicina e Enfermagem entram em greve por contratações no HU

    foto: Daniel Garcia Reunidos em assembleia no dia 13/11, os estudantes da Faculdade de Medicina (FMUSP) decretaram greve em defesa do Hospital Universitário (HU), a primeira greve estudantil do curso desde a Ditadura Militar (1964-1985). No dia seguinte, os estudantes da Escola de Enfermagem (EEUSP) aderiram à greve.

A pedido do reitor, tropa de choque da PM agride manifestantes

Ato de repúdio à violência institucional e policial na USP

Discussão sobre a aposentadoria dos docentes - parte 1/2

Discussão sobre a aposentadoria dos docentes - parte 2/2