A Diretoria da Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo (Adusp-S. Sind.) denuncia a manutenção da escalada intimidatória e totalitária pela Reitoria, que procura reiteradamente coibir os movimentos estudantis, sindicais e sociais que envolvem professores, funcionários e estudantes da USP.
 
Em um período em que o corpo da universidade está organizado, em greve pelo atendimento de suas reivindicações, uma atitude desta natureza expõe, uma vez mais, o despreparo e a indisposição da atual administração ao diálogo e à negociação.
 
Exortamos a Reitoria a vir a público explicar:
  • por que a Polícia Militar (PM) já estava a postos às 18h de 16/6 na entrada do campus Butantã?
  • por que o portão 2 havia sido fechado no mesmo horário, impedindo a saída de estudantes, funcionários e professores?
  • por que a PM acompanhou a asssembleia dos estudantes em frente ao prédio da Reitoria?
  • sob que alegação, a Tropa de Choque invadiu o Crusp, inclusive os blocos de apartamentos, com bombas de gás e bala de borracha?
É inaceitável a ação - violenta e previamente preparada - perpetrada pela PM contra estudantes no campus do Butantã na madrugada de 17/6.
 
São Paulo, 17 de junho de 2016
Diretoria da Adusp-S. Sind.