Na noite do dia 16 de junho, mais uma vez assistimos, indignados, uma ação policial violenta na USP. A Universidade novamente foi tomada pela nuvem de fumaça de gases lançados contra estudantes. Em vez de ser o lugar da discussão, do diálogo, da crítica social e da diversidade, balas de borracha substituíram o bom senso.
 
O diálogo, ainda que anunciado desde a campanha eleitoral do atual reitor da USP, continuou ausente. A violência institucionalizada ocupou seu lugar, e desta vez atingiu blocos de moradia estudantil, incluindo os que abrigam mães e seus filhos, surpreendidos com bombas de efeito moral. E mais vergonhoso ainda é a reitoria ter enviado um email à comunidade, no dia seguinte, justificando a ação policial.
Lamentavelmente esse ataque foi anunciado. Dois dias antes, os professores que andaram até a reitoria depois da assembleia da Adusp foram recebidos com as portas fechadas e a visível presença de policiais militares em torno do prédio.
 
 
 
 
No dia 15, em manifestação pacífica pelas ruas de São Paulo, verificou-se a iminência de outro enfrentamento com a Polícia Militar do Estado de São Paulo, não fosse a intervenção direta de diversos professores da USP. 
 
 
Qual é o objetivo desse tipo de ação? O que deseja quem autoriza que a repressão armada seja empregada contra estudantes e demais manifestantes? Que interesses se beneficiam com isso?
 
Iniciativas da reitoria, como a revisão autoritária dos modos de avaliação institucional e docente, o corte de ponto de funcionários em greve -direito legítimo-, e a falta de escuta das demandas dos estudantes sobre cotas, espaços e permanência são rejeitadas por parte significativa da comunidade, como ficou claro em encontros públicos recentes. A falta de diálogo leva a uma radicalização das partes e às agressões verificadas na noite de 16 de junho.
 
Diante disso, os docentes da USP, reunidos em assembleia da Adusp no dia 21/6/2016, condenam veementemente o uso da violência policial contra manifestantes, responsabilizam a reitoria por todas suas consequências, bem como apelam mais uma vez ao retorno do diálogo.
 
 
 
 
 
Visitas da diretoria da Adusp

Privatização / Conflito de interesses / Fundações

  • MPE-SP processa professor Lancha Jr. por uso indevido de bolsa da Fapesp

    O  Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE-SP) está acusando o professor titular Antônio Herbert Lancha Jr., da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE), de utilizar indevidamente recursos cedidos pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), incorrendo em crime de improbidade administrativa.
  • USP perdeu 500 professores efetivos desde 2014

    O número geral de docentes da Universidade de São Paulo caiu de 6.207, em setembro de 2014 (primeiro ano da gestão M.A. Zago-Vahan Agopyan), para 5.853 em fevereiro de 2018. Portanto, uma queda de 354 professores no corpo docente em pouco mais de três anos. Porém, o cenário é ainda mais grave quando computadas as perdas sofridas no quadro de professores efetivos. Como a maior parte da reposição de vagas abertas nesse período se deu por meio da contratação de professores precários (temporários), para voltar ao patamar de 2014 a USP precisa repor, atualmente, nada menos do que 499 docentes efetivos, na quase totalidade das unidades, isso sem incluir a reposição das aposentadorias.
  • Marcado para 27/2 julgamento da ação contra Lancha Jr. por improbidade no caso “Bod Pod”

    A 15a Vara da Fazenda Pública agendou para o dia 27/2/2018, às 14h00, a audiência de instrução (oitiva de testemunhas) e julgamento da ação judicial movida pelo Ministério Público (MPE-SP) contra o professor titular Antonio Herbert Lancha Jr., da Escola de Educação Física e Esportes (EEFE), por improbidade administrativa e enriquecimento ilícito. A ação ajuizada pela 5a Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social da Capital diz respeito ao uso privado de um aparelho “Bod Pod”, adquirido pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pertencente à EEFE.
  • Recurso de Gualano empata (40 a 40) e “voto de minerva” do reitor endossa parecer da CLR

    A reunião do Co de 21/11 apreciou dois recursos de docentes contra decisões de suas respectivas congregações: do professor Bruno Gualano, da Escola de Educação Física e Esportes (EEFE), e da professora Marilda Ginez de Lara, da Escola de Comunicações e Artes (ECA).
  • Estudantes de Medicina e Enfermagem entram em greve por contratações no HU

    foto: Daniel Garcia Reunidos em assembleia no dia 13/11, os estudantes da Faculdade de Medicina (FMUSP) decretaram greve em defesa do Hospital Universitário (HU), a primeira greve estudantil do curso desde a Ditadura Militar (1964-1985). No dia seguinte, os estudantes da Escola de Enfermagem (EEUSP) aderiram à greve.

A pedido do reitor, tropa de choque da PM agride manifestantes

Ato de repúdio à violência institucional e policial na USP

Discussão sobre a aposentadoria dos docentes - parte 1/2

Discussão sobre a aposentadoria dos docentes - parte 2/2