Patrocínio: IAG - IF - IME

Programa:

14h00: Boas-vindas Prof. Laerte Sodré Jr. (Diretor do IAG); 14h05: Abertura Prof. Eduardo S. Cypriano (Representante MS-5 na Congregação do IAG); 14h20: Mesa com Prof. Luíz Nunes de Oliveira (IFSC/Presidente da CERT), Prof. Ricardo R. Terra (FFLCH/Presidente do GT - Atividade Docente), Prof. Ciro T. Correia (IGc/membro do GT-Democratização da ADUSP), mediação do Prof. Cypriano e participação da plateia.

 

Privatização / Conflito de interesses / Fundações

  • Conselho Universitário deverá apreciar em 19/9 recurso de docente da EEFE que pede transferência para FM

    A Comissão de Legislação e Recursos (CLR) do Conselho Universitário (Co) entrou em contato com o professor Bruno Gualano, da Escola de Educação Física e Esportes (EEFE), em 18/8, para comunicar-lhe que seu recurso contra decisão da Congregação deverá ser apreciado pelo Co na reunião de 19/9. Gualano pleiteou transferência para a Faculdade de Medicina (FM). 
  • Congregação da EEFE rejeita recurso de professor

    Recurso do professor Bruno Gualano contra decisão do Conselho do Departamento de Biodinâmica do Movimento do Corpo Humano — que recusou, em 9/2 e novamente em 6/4, seu pedido de transferência para a Faculdade de Medicina (FM) — foi denegado em 9/6 pela Congregação da Escola de Educação Física e Esportes (EEFE). Agora, o docente pretende recorrer ao Conselho Universitário (Co). Em razão de denúncias de irregularidades que encaminhou em 2015 à própria USP e, posteriormente, ao Ministério Público (MPE-SP), as quais envolvem o suplente da chefia daquele departamento, o professor Gualano vem sendo alvo de hostilidades que levaram-no a pedir transferência para outra unidade, no caso a FM, cujo Departamento de Clínica Médica deu aval à solicitação. No entanto, o Departamento de Biodinâmica do Movimento do Corpo Humano da EEFE alegou que há “disciplinas descobertas”, que “não é interesse disponibilizar o docente”, que ele “como docente, é muito importante” e que portanto não pode ser liberado. A chefe do departamento, professora Edilamar Menezes, sustentou na Congregação que “a transfe­rência sem permuta implica a perda de um docente”, e ao responder à pergunta de um dos membros do colegiado sobre “qual fato novo foi apresentado no pedido do interessado”, afirmou que “não foi apresentado fato novo”. O professor Valmor Tricoli, diretor da EEFE, alegou que “há atividades de graduação, pós-graduação e pesquisa que ficariam descobertas se abríssemos mão de um docente [...] seria um contrassenso liberar um docente se hoje a situação já é precária”. O recurso foi rejeitado por 18 votos, com uma única abstenção, do professor Hamilton Roschel. Depreende-se da leitura da ata da reunião de 9/6 que a Congregação não procedeu à leitura e discussão do recurso apresentado por Gualano. Portanto, não houve oportunidade de contraditório em relação à manifestação da chefe do departamento de que não há “fato novo” no recurso. Sequer houve discussão das questões de mérito apontadas no documento. Na mesma reunião, a solicitação de um professor titular para exercer consultoria remunerada ao Hospital Sírio Libanês, particular, e o relatório de afastamento do professor Herbert Lancha Jr. para uma viagem à França foram aprovados por unanimidade pela Congregação. O relatório de Lancha Jr., suplente da chefia do Departamento, recebeu parecer favorável do professor Alberto Carlos Amadio, ex-chefe de Gabinete da Reitoria (gestões Suely Vilela e J.G. Rodas). A viagem à França, custeada com recursos da Fapesp, é objeto de investigação pelo MPE-SP. Informativo nº 438