Diante da ausência de informações públicas da reitoria a respeito da tramitação das propostas de Regimento da nova Comissão Permanente de Avaliação (Nova CPA) e do Estatuto do Docente, a Assembleia Geral da Adusp de 1/11/2016 aprovou e divulgou uma carta na qual solicitava que, caso aquelas propostas fossem levadas à votação, os membros do Conselho Universitário se posicionassem contrários à sua aprovação.

Na ocasião, destacava-se que as principais críticas de Departamentos, Congregações e plenárias de docentes de diversas unidades não haviam sido superadas, em especial no que se refere à exacerbada centralização dos processos de avaliação docente e institucional e à falta de diagnóstico que fundamentasse a necessidade de implantação das propostas apresentadas. Alertava-se ainda que, caso fossem aprovadas as mudanças estatutárias que abriam caminho para a discussão do Regimento da Nova CPA e do Estatuto do Docente, esses diplomas normativos poderiam ser deliberados por maioria simples, o que em nada contribuiria para lhes conferir a aceitação e a legitimidade tão necessárias para que mudanças dessa envergadura fossem implantadas, de modo a contribuir para a harmonia e o fortalecimento da instituição.

Nesse contexto, é com grande perplexidade que a Universidade tomou conhecimento, na noite de 3/11/2016, de que o tema não apenas está na pauta da reunião do Co prevista para 8/11/2016 para deliberação, mas é incluído na forma de novas versões as quais, embora datadas de 11/10/2016, não haviam até então sido objeto de qualquer divulgação para as unidades e instâncias decisórias da USP. Cabe destacar que, mesmo no restrito círculo de órgãos e comissões por onde tramitaram, as manifestações foram todas elaboradas em tempo exíguo, o que suscita dúvidas sobre as motivações para tal atropelo (em 25/10/2016 na Procuradoria Geral - PG; em 01/11/2016 na Comissão de Atividades Acadêmicas - CAA; e em 03/11/2016 na Comissão de Legislação e Recursos - CLR).

A perplexidade aumenta quando se verifica que a mudança mais significativa agora apresentada nas "minutas de novembro" não trata de qualquer das principais críticas debatidas em profundidade pela comunidade, mas de algo que não havia sequer sido sugerido pela reitoria ao longo do processo: ao invés de extinguir a CERT, como vinha sendo apresentado, agora essa comissão é mantida, não como modo de encerrar seus tantos desvios, mas como manobra para driblar justamente a necessidade de maioria qualificada para se modificar o Estatuto da USP (dois terços do total dos membros do Co) e, assim, viabilizar o que a prática do bom direito, ou mesmo, o mais elementar bom senso, não recomenda: lograr aprovar com maioria simples um conjunto de propostas amplamente criticado pela comunidade e pelos órgãos colegiados.

Se antes a proposta já se encontrava prejudicada diante das reiteradas lacunas e críticas que lhe foram dirigidas e não foram superadas, agora a compromete o fato de não ter sequer sido divulgada - e isso numa instituição universitária! Mais grave, modificada justamente com o propósito de impedir que incidam sobre ela as críticas e inúmeras sugestões apresentadas pela comunidade.

É por isso que agora a Diretoria da Adusp dirige-se novamente a todos os que compõem o colegiado maior da universidade, para solicitar que não deem suporte à clara manobra da reitoria para tentar impor propostas que precarizam o trabalho docente, atribuem a uma comissão central poder preponderante de decisão sobre projetos acadêmicos de Departamentos e Unidades, gerando dúvidas e um clima de instabilidade, para além de contrariarem até mesmo o próprio Estatuto da USP, como no caso do artigo 104, segundo o qual "O Regimento de cada Unidade disporá sobre a reavaliação quinquenal de todos os docentes no que se refere às atividades de ensino, de pesquisa e de extensão de serviços, respeitado o disposto no Regimento Geral".

Por todos esses motivos, solicitamos aos conselheiros que se manifestem e se posicionem com responsabilidade em relação ao futuro da USP, deliberando  por algo no limite do razoável: pela retirada da proposta da pauta da reunião do Co de 8/11/2016 e pela extensão do prazo para que o corpo da Universidade possa avaliar com cuidado mudanças tão decisivas para a vida universitária. E caso, lamentavelmente, a reitoria não admita a retirada de pauta e abertura de debate com os colegiados: conselheiro, vote NÃO!

São Paulo, 5/11/2016
Diretoria da Adusp

 

Visitas da diretoria da Adusp

Privatização / Conflito de interesses / Fundações

  • MPE-SP processa professor Lancha Jr. por uso indevido de bolsa da Fapesp

    O  Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE-SP) está acusando o professor titular Antônio Herbert Lancha Jr., da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE), de utilizar indevidamente recursos cedidos pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), incorrendo em crime de improbidade administrativa.
  • USP perdeu 500 professores efetivos desde 2014

    O número geral de docentes da Universidade de São Paulo caiu de 6.207, em setembro de 2014 (primeiro ano da gestão M.A. Zago-Vahan Agopyan), para 5.853 em fevereiro de 2018. Portanto, uma queda de 354 professores no corpo docente em pouco mais de três anos. Porém, o cenário é ainda mais grave quando computadas as perdas sofridas no quadro de professores efetivos. Como a maior parte da reposição de vagas abertas nesse período se deu por meio da contratação de professores precários (temporários), para voltar ao patamar de 2014 a USP precisa repor, atualmente, nada menos do que 499 docentes efetivos, na quase totalidade das unidades, isso sem incluir a reposição das aposentadorias.
  • Marcado para 27/2 julgamento da ação contra Lancha Jr. por improbidade no caso “Bod Pod”

    A 15a Vara da Fazenda Pública agendou para o dia 27/2/2018, às 14h00, a audiência de instrução (oitiva de testemunhas) e julgamento da ação judicial movida pelo Ministério Público (MPE-SP) contra o professor titular Antonio Herbert Lancha Jr., da Escola de Educação Física e Esportes (EEFE), por improbidade administrativa e enriquecimento ilícito. A ação ajuizada pela 5a Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social da Capital diz respeito ao uso privado de um aparelho “Bod Pod”, adquirido pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pertencente à EEFE.
  • Recurso de Gualano empata (40 a 40) e “voto de minerva” do reitor endossa parecer da CLR

    A reunião do Co de 21/11 apreciou dois recursos de docentes contra decisões de suas respectivas congregações: do professor Bruno Gualano, da Escola de Educação Física e Esportes (EEFE), e da professora Marilda Ginez de Lara, da Escola de Comunicações e Artes (ECA).
  • Estudantes de Medicina e Enfermagem entram em greve por contratações no HU

    foto: Daniel Garcia Reunidos em assembleia no dia 13/11, os estudantes da Faculdade de Medicina (FMUSP) decretaram greve em defesa do Hospital Universitário (HU), a primeira greve estudantil do curso desde a Ditadura Militar (1964-1985). No dia seguinte, os estudantes da Escola de Enfermagem (EEUSP) aderiram à greve.

A pedido do reitor, tropa de choque da PM agride manifestantes

Ato de repúdio à violência institucional e policial na USP

Discussão sobre a aposentadoria dos docentes - parte 1/2

Discussão sobre a aposentadoria dos docentes - parte 2/2