O médico do Hospital Universitário (HU) e diretor do Sindicato dos Médicos de São Paulo, Gerson Salvador, expôs na mídia as consequências da falta de profissionais naquele hospital, sobretudo no setor da Pediatria, cujo horário de atendimento passou a ser das 7h às 19h.

Embora a Pediatria seja um dos setores mais atingidos, não é o único.

O processo de desmonte segue plano pré-definido: o Programa de Incentivo à Demissão Voluntária (PIDV), de 2014, esvaziou o suporte técnico ao funcionamento do HU e afetou muito negativamente as condições de trabalho de quem permaneceu. Frente a essa situação, além dos 18 que haviam aderido ao PIDV, mais 25 médicos se demitiram recentemente.

Talvez a consequência mais dramática para a população do bairro do Butantã seja que, atualmente, 40% da capacidade de atendimento da UTI do HU está desativada. Anuncia-se novo PIDV na USP. Isto não caracteriza um desmonte programado, e, no tocante ao HU, verdadeiro crime contra a saúde pública?

Informativo nº 417