No início da tarde de segunda-feira, 16/1, a Divisão de Creches/Educação Infantil da Superintendência de Assistência Social da USP (SAS) encaminhou comunicado aos funcionários da Creche/Pré-Escola Oeste anunciando que entre os dias 17 e 20/1 seria realizada a transferência dos equipamentos, materiais e mobiliários desta unidade para a Creche/Pré-Escola Central, também localizada no campus da Cidade Universitária, Butantã. A ordem partiu da Reitoria, sob a justificativa de “otimizar os espaços das Creches e Pré-Escolas do campus Butantã”.

Assinado por Rose Maria Gozzi Carnelosso, da Chefia Técnica da Divisão de Creches, o comunicado pede aos interessados em “auxiliar nessa operação” que entrem em contato com a direção da Creche Oeste. O Informativo Adusp apurou que o comunicado só foi enviado após uma comissão formada por funcionários e pais de alunos da Creche Oeste ter ido até a Reitoria solicitar reunião para obter explicações com o chefe de Gabinete do reitor, Thiago Liporaci. A comissão recebeu o informe de que Liporaci não se encontrava na Reitoria naquele momento.

Ramiro Malaquias, professor da Creche e Pré-Escola Oeste, disse que os funcionários e os pais de alunos foram “pegos de surpresa”, já que a única notícia que receberam era a de que um caminhão iria “encostar na Creche às 14 horas de hoje [16/1] e ensacar tudo”, que os equipamentos seriam recolhidos num depósito e que supostamente os funcionários seriam acolhidos na Creche Central. Porém, não foram avisados do local do depósito, nem quando e se ocorrerá o acolhimento de alunos, funcionários, e equipamentos no novo local.

Sem aviso

Ramiro informa que não houve nenhum aviso, tanto por parte da SAS, quanto por parte da Reitoria, de que a Creche Oeste seria fechada. “E não é por falta de nossa procura”, afirma. “Inúmeras vezes procuramos a Reitoria e a SAS e o que a gente sempre escuta é que a Creche [Oeste] não iria fechar”. Ele também afirma que, do ponto de vista da gestão de um órgão público, “não se fecha um local de trabalho sem sequer enviar um aviso”. Tanto a SAS quanto a assessoria de imprensa da Reitoria não quiseram dar qualquer declaração sobre o ocorrido.

Uma vigília teve início na Creche Oeste na tarde de segunda-feira, para evitar que os equipamentos fossem retirados do local, bem como para pressionar a Reitoria e a SAS a se posicionarem sobre a questão. Uma reunião ampliada no mesmo local, aberta a toda a comunidade (acadêmica ou não), foi convocada para terça-feira, 17/1, com o intuito de discutir e deliberar sobre como resistir à extinção da Creche Oeste.

A atitude da Reitoria é uma afronta às Diretrizes Orçamentárias 2017, item 5, p. 15, aprovadas na última reunião do Conselho Universitário (Co): “Preencher as vagas ociosas no limite da capacidade das creches da USP”.