No dia 13/11, duas semanas após a eleição da lista tríplice pelo colégio eleitoral indireto, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), como se esperava, nomeou Vahan Agopyan (EP) e Antonio Carlos Hernandes (IFSC), da Chapa 1, como reitor e vice-reitor da USP na gestão 2018-2022. Desse modo, o projeto de desmonte e privatização da USP capitaneado pelo atual reitor M.A. Zago ganha sobrevida, apesar de fortemente rejeitado pela comunidade universitária, como ficou patente no processo eleitoral, particularmente na consulta realizada em 23/10.

Como já assinalado no Informativo Adusp 443, a escolha do governador é coerente com seu apoio à política de M.A. Zago e seu vice Vahan — e conveniente, pois sabe que a nova gestão deverá se eximir de pressionar o governo estadual em busca do adequado financiamento das universidades públicas estaduais, sobretudo quando procura aprovar o PL 920/2017 (vide matéria de capa).

Ao noticiar a nomeação, o jornal O Globo, após lembrar que Vahan nasceu na Turquia, e que foi diretor da EP e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) antes de assumir como vice de M.A. Zago, atribuiu ao novo reitor um papel destacado na política de “austeridade a qualquer preço” implantada na gestão que se encerra: “No cargo [de vice-reitor], foi um dos principais responsáveis por reduzir os gastos da universidade, que vive os efeitos de uma crise financeira”.

A posse de Vahan e Hernandes está prevista para 25 de janeiro de 2018.

Reeditada para o nformativo nº 444