Na semana passada, as/os docentes receberam um e-mail enviado pelo cerimonial da Reitoria convidando para a segunda edição do “Encontro de Professores da USP 2018”, que deverá ocorrer em 22/8. O evento é organizado pelo representante dos titulares no Conselho Universitário (Co), professor Amâncio Jorge Oliveira (IRI); pelo representante dos associados e seu suplente no Co, professores Marcílio Alves (EP) e Luiz Fernando Ramos (ECA), respectivamente; e ainda pelas professoras Ana Estela Haddad (FO) e Simone Hage (FOB) e pelo professor Bruno Caramelli (FM).

No atual contexto, qualquer espaço de discussão que rompa o limite das unidades pode ser importante para que as/os docentes possam expressar suas opiniões sobre os rumos da USP. Contudo, diferentemente do 1º Encontro de 2016, no qual houve espaço para contraposição crítica e debates, no evento de agora, que trata de temas centrais à universidade, como a “Nova Avaliação Docente” (CAI e CAD), o Hospital Universitário (HU) e a situação financeira da USP, as/os presentes terão apenas a oportunidade de ouvir (mais uma vez) a versão oficial da administração central da Universidade, sem a previsão de nenhum tipo de contraponto, com as falas dos professores Fábio Frezatti, vice-presidente da COP; Luiz Eugênio Garcez Leme, diretor do HU; Marcílio Alves, presidente da CAD, além do próprio reitor da USP, professor Vahan Agopyan. Além destes, apenas o ex-reitor da UFABC, professor Luiz Belvilacqua, é estranho à administração da USP.

Assim sendo, parece que as representações dos titulares e dos associados no Co preferem assumir o papel de porta-vozes da Reitoria e não, como é de se esperar, o papel de porta-vozes do corpo docente face aos órgãos centrais e à comunidade universitária.

São Paulo, 16 de agosto de 2018

Diretoria da Adusp