HRAC desvinculação Hospital Universitário

  • Alesp corrige emenda para viabilizar a destinação de R$ 48 milhões para HU

    A Assembleia Legislativa (Alesp) aprovou em 13/6 o Projeto de Lei 367/2018, de autoria do deputado Marco Vinholi (PSDB), que altera o erro técnico em relação à verba de R$ 48 milhões para a contratação de funcionários para o Hospital Universitário da USP cometido na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2018, que registrou aquele montante como despesa de custeio, ao invés de gasto com pessoal. Porém, para ser promulgado, o projeto de lei ainda necessita da sanção do governador Márcio França (PSB).

  • Na Alesp, inquirido por deputados e manifestantes sobre emenda para HU, Vahan opta por subterfúgios

    Convocado a prestar contas sobre sua gestão, o reitor da USP, Vahan Agopyan, compareceu no dia 16/5 ao auditório da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação e Informação da Assembleia Legislativa (Alesp), quando foi questionado por deputados e por membros do Coletivo Butantã na Luta, da Adusp e do Diretório Central dos Estudantes a respeito da situação de quase colapso do Hospital Universitário (HU) e do descaso da Reitoria frente à aguda insuficiência de pessoal.

  • Movimento pelo HU confronta tergiversações do reitor

    foto: Daniel Garcia

    Adusp, Sintusp, DCE, os centros acadêmicos dos cursos de Saúde e o Coletivo Butantã na Luta, de moradores da região, organizaram um protesto e um simpósio pela defesa do Hospital Universitário (HU) na segunda semana de maio. As atividades reagem à postura evasiva do reitor Vahan Agopyan, que até agora não garantiu a aplicação da emenda orçamentária de R$ 48 milhões apro­vada na Alesp, em dezembro de 2017, como recurso adicional ao Orçamento da USP, destinado à contratação de funcionários para o HU. Ele alega “ingerência externa” na autonomia da universidade.

  • Superintendente do Hospital Universitário recebe em audiência GT Saúde da Adusp

    O Grupo de Trabalho de Saúde da Adusp (GT Saúde) foi recebido em audiência, no dia 5/4/2018, pelo superintendente do Hospital Universitário da USP (HU), professor Luiz Eugênio Garcez Leme (FM), e por seus assessores Walter Cintra Peneira Júnior (médico do IOT/HC), Luiz Eduardo (Divisão Médica), Paulo Francisco Ramos Margarido (FM), Dalton Luiz de Paula Ramos (FO) e Lucy Christine Maeda Hirata (médica reumatologista do HU).

  • Nota de repúdio à nomeação de Marco Antonio Zago como secretário estadual da Saúde

    A Diretoria da Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo vem a público manifestar seu mais veemente repúdio à investidura do ex-reitor M. A. Zago no cargo de secretário estadual da Saúde.

  • Audiência com o Reitor

    Foto: Adriana Cruz / Assessoria de Imprensa da USP

    O reitor Vahan Agopyan recebeu em 26/3, na Reitoria, a Diretoria da Adusp, representada pelos professores Rodrigo Ricupero, Ivã Gurgel e Michele Schultz, respectivamente presidente, primeiro vice-presidente e segunda vice-presidente. Pela Reitoria estavam presentes, ainda: o vice-reitor Antonio Carlos Hernandes; o pró-reitor e a pró-reitora adjunta de Graduação, Edmund Baracat e Maria Vitória Lopes Badra Bentley; os pró-reitores adjuntos de Pós Graduação, Márcio de Castro Silva Filho, e de Cultura e Extensão Universitária, Margarida Maria Krohling Kunsch; o chefe de Gabinete, Gerson Tomanari, e o coordenador executivo do Gabinete, Thiago Liporaci. A reunião transcorreu em clima cordial e foi acompanhada pela assessoria de imprensa da Reitoria.

  • Salários, reposição de docentes e HU dominam os debates na primeira reunião do Co em 2018

    A necessidade de reajuste salarial para repor as perdas sofridas nos últimos anos, a questão da alarmante redução do corpo docente efetivo (revelada pela Adusp) e o colapso do Hospital Universitário (HU) foram os principais tópicos dos debates realizados na primeira reunião do Conselho Universitário (Co) de 2018, realizada em 13/3. Os representantes discentes destacaram as questões relacionadas à permanência estudantil, em vista de ser este o primeiro ano de vigência das cotas étnico-sociais. Por outro lado, mais de duas horas da reunião foram tomadas pela indicação de candidatos às comissões permanentes (COP, CLR, CAA e Comissão de Ética) e subsequente votação, bem como pela homologação dos nomes dos pró-reitores.

  • Reitor nega-se a receber abaixo-assinado em defesa do Hospital Universitário

    foto: Daniel Garcia

    Centenas de pessoas participaram de nova manifestação em defesa do Hospital Universitário da USP (HU), iniciada na manhã do dia 2/3 com o objetivo de entregar ao reitor Vahan Agopyan o abaixo-assinado com mais de 50 mil assinaturas pela imediata reativação do hospital. O protesto foi organizado pelo Coletivo Butantã na Luta, Adusp, Sintusp e Diretório Central dos Estudantes. Apesar da mobilização, o reitor recusou-se a receber pessoalmente o abaixo-assinado e escalou um assessor para representá-lo. Os manifestantes, por sua vez, não aceita­ram entregar o documento, exigindo a presença de Agopyan.

  • Nova manifestação popular em 2/3 exigirá que Agopyan aplique emenda da Alesp e reative HU

    foto: Daniel Garcia

    Reitoria receberá um abaixo-assinado com mais de 50 mil assinaturas em defesa do Hospital Universitário da USP

    Um grande ato público em defesa do Hospital Universitário da USP (HU) está previsto para a próxima sexta-feira, 2/3, a partir das 10 horas. A concentração inicial será no Portão 3 da Cidade Universitária (próximo à Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia). Os manifestantes, convocados pelo Coletivo Butantã na Luta, Adusp, Sintusp e Diretório Central dos Estudantes, caminharão até a Reitoria, onde pretendem ser atendidos pelo reitor Vahan Agopyan, cujas diretrizes para o hospital vêm sendo fortemente contestadas por essas entidades.

  • M.A. Zago encerra gestão com mensagem pontuada por falácias, sem citar seu ataque ao HU, nem caso McKinsey

    Ao alegar que entregou “universidade pacificada”, ex-reitor omite que a Reitoria foi cercada por grades e que usou a PM para agredir manifestantes

    Em mensagem à comunidade universitária publicada em 22/1, Marco Antonio Zago apresentou um balanço da sua gestão reitoral, que se encerraria no dia 24/1. Na carta de duas páginas, ele comemora o fato de que “recuperamos a posição de universidade pública paulista com o menor dispêndio com pessoal”. Uma tabela inserida no texto, intitulada “Variação do Quadro de Pessoal” da USP, apresenta dados dramáticos que, no entanto, o hoje ex-reitor considera favoráveis: desligamento de 217 docentes e de 3.786 funcionários técnico-administrativos, entre 2013 e 2017.

  • Conselho Deliberativo do HU, omisso na crise?

    foto: Daniel Garcia

    Que papel vem desempenhando o Conselho Deliberativo (CD) do Hospital Universitário da USP (HU) na situação de colapso vivida pelo hospital? Afinal, o CD é composto pelos diretores das seis unidades de ensino da universidade que têm no HU o seu hospital-escola: Faculdade de Medicina (FM), Escola de Enfermagem (EE), Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF), Faculdade de Odontologia (FO), Faculdade de Saúde Pública (FSP) e Instituto de Psicologia (IP). Fazem parte ainda da sua composição um representante discente; um representante dos servidores técnicos e administrativos da USP; e um representante dos usuários do Distrito de Saúde do Butantã.

  • Nova passeata em defesa do HU ataca Alckmin e Zago

    Foto: Daniel Garcia

    Moradores da região, membros do coletivo Butantã na Luta, funcionários do Hospital Universitário e estudantes em greve da Medicina e Enfermagem realizaram um novo ato contra o desmonte do HU no dia 7/12. A manifestação também contou com o apoio da Adusp, do Sintusp, do DCE e do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp).

  • Colapso do HU leva CA da Enfermagem a rasgar diplomas dos médicos Zago e Alckmin

     

    Um grupo de 35 estudantes da Escola de Enfermagem (EE) e um do curso de Terapia Ocupacional (TO-FM) montou acampamento e dormiu no Hospital Universitário (HU) na noite de 30/11 para 1º/12. Na manhã do dia 1º/12, dando continuidade ao chamado “Dormidaço”, eles realizaram um ato de protesto, durante o qual rasgaram e atearam fogo a cartolinas que representavam os diplomas de medicina do reitor M.A. Zago e do governador Geraldo Alckmin (PSDB), principais responsáveis pela situação de colapso do HU.

  • Co de 28/11 rejeita a contratação de servidores para o Hospital Universitário e reajuste salarial

    Em sessão extraordinária o Conselho Universitário da USP (Co) se reuniu no dia 28/11 para deliberar sobre os destaques à proposta de Diretrizes Orçamentárias apresentados na reunião anterior, de 21/11. Formuladas pela Comissão de Orçamento e Patrimônio (COP) e alinhadas à política de “ajuste fiscal” do reitor M.A. Zago, as diretrizes representam a etapa inicial de elaboração do Orçamento de 2018, que será votado na próxima reunião do Co, no dia 12/12.

  • Apoiado por moradores, protesto “abraça” HU contra desmonte

    foto: Daniel Garcia

    No dia 24/11, cerca de duas mil pessoas — estudantes, professores, funcionários e moradores da região do Butantã — participaram de uma passeata em defesa do Hospital Universitário e lhe deram um abraço simbólico, em resposta ao deliberado desmonte promovido pela Reitoria com a anuência do governador Geraldo Alckmin (PSDB). O ato foi convocado pelo Coletivo Butantã na Luta e recebeu apoio da Adusp, Sintusp, Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), Diretório Central dos Estudantes-Livre “Alexandre Vannucchi Leme”, além de vários centros acadêmicos, parlamentares e movimentos sociais, como o Fórum de Popular de Saúde.

  • Estudantes de Medicina e Enfermagem entram em greve por contratações no HU

    foto: Daniel Garcia

    Reunidos em assembleia no dia 13/11, os estudantes da Faculdade de Medicina (FMUSP) decretaram greve em defesa do Hospital Universitário (HU), a primeira greve estudantil do curso desde a Ditadura Militar (1964-1985). No dia seguinte, os estudantes da Escola de Enfermagem (EEUSP) aderiram à greve.

  • Debate de 19/10 desnorteia Vahan e projeta Sauer e Arminda na defesa do HU e creches

    foto: Daniel Garcia

    Realizado em 19/10, no auditório 5 da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA), às vésperas da consulta oficial (23/10) e a onze dias da eleição (30/10), o terceiro e último debate entre os reitoráveis organizado pela Comissão Eleitoral representou uma mudança de patamar na discussão entre as quatro chapas, bem como na relação entre os movimentos sociais e as candidaturas. A polarização cresceu ao longo das quase duas horas e meia de debate, culminando com um vibrante protesto em defesa do HU.

  • Pesquisa atesta a importância do HU para população da região do Butantã

    Foto: Daniel Garcia

    No dia 17/10, no Auditório da História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), o coletivo Butantã na Luta apresentou os resultados de uma pesquisa de opinião realizada com os moradores do Butantã a propósito da relação existente entre a população e o Hospital Universitário da USP (HU). Formado por moradores da região, o coletivo Butantã na Luta tem caráter suprapartidário e está organizando uma ampla campanha em defesa do HU.

  • No debate entre reitoráveis, alunos da FM exigem contratações já no HU e gritam “Fora, Vahan”

    Foto: Daniel Garcia

    Numeroso grupo de alunos da Faculdade de Medicina (FM), liderados pelo Centro Acadêmico Oswaldo Cruz (CAOC), compareceu ao debate oficial entre os reitoráveis realizado na manhã desta quinta-feira, 19/10, para exigir contratações imediatas e a reversão do processo de desmonte do Hospital Universitário (HU). Houve grande pressão sobre o candidato do situacionismo, vice-reitor afastado Vahan Agopyan, que precisou improvisar explicações sobre o hospital ao comentar o tema a pedido da mesa, recebeu vaias, e no encerramento teve de ouvir o coro “Fora, Vahan!”.

  • Alunos da Medicina farão protesto em defesa do HU durante debate de reitoráveis de 19/10

    Uma assembleia geral do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz (CAOC), da Faculdade de Medicina (FM), realizada em18/10 com a finalidade de discutir a situação do Hospital Universitário da USP (HU) e dos estágios da Pediatria (quinto ano), aprovou paralisação de um dia, a ocorrer nesta quinta feira, 19/10, para que os alunos possam comparecer ao debate oficial entre os reitoráveis previsto para ocorrer nesta mesma data, das 10 às 12 horas, no auditório 5 da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA).

    "A decisão pela paralisação se fez necessária para a mobilização dos alunos da Medicina diante do cenário de desmonte do Hospital Universitário da USP", diz nota do CAOC. "Sabemos, há muito, que o HU ocupa um papel importantíssimo tanto na assistência da população na região Oeste, quanto no ensino dos graduandos e pós graduandos dos cursos da área da saúde da USP.