• Vem chumbo grosso!

    Em 23/2 teve início o primeiro semestre letivo de 2015. A julgar pela conjuntura política e econômica da sociedade e da universidade neste começo de aulas, parece sensato preparar-se não para chuvas regulares, mas para um período de chumbo grosso e total insensibilidade da dinastia que dirige a USP.

  • Co ignora petição e deixa HRAC fora da pauta

    A reunião de 3/3 do Conselho Universitário (Co) foi iniciada com a manifestação do reitor M.A. Zago, que leu trechos do documento de fundação da USP em 1934, reafirmando a sua atualidade. Em seguida apresentou um balanço de seu primeiro ano de gestão, salientando suas ações no sentido de promover “democratização” (sic) e “transparência” (sic). A EACH foi citada a respeito da interdição. O reitor apresentou na sequência uma avaliação (pessimista) das perspectivas financeiras da universidade e reafirmou a necessidade de cortes de despesas. Concluiu comentando o Plano de Metas para 2015.

  • Os embates políticos de 2015

    Lutas por democracia, transparência, salário, preservação do HU e do HRAC e contra os ataques da Cert devem marcar o próximo ano...

    As conquistas políticas, organizativas e salariais da greve de 118 dias realizada pelas estaduais paulistas deixaram marcas importantes, mas ainda há batalhas a travar, que deverão ocorrer em 2015.

  • Como vai a saúde do HU?

    Pronto Atendimento do pessoal da USP e ambulatório da Ortopedia foram fechados e Obstetrícia funciona em regime especial

    Aproximam-se as festas de final de ano, mas não há motivo para comemorações para quem acompanha o embate em torno do Hospital Universitário da USP (HU). Na realidade, o que se vê, com grande preocupação, podem ser prenúncios de mais um desmonte, programado e progressivo, de um serviço público de qualidade reconhecida.

  • Revogação da Portaria 6.545/13 deixa dependentes sem atendimento médico

    Os serviços de saúde da universidade estão deixando de prestar atendimento médico a dependentes de docentes, funcionários técnico-administrativos e estudan­tes. “Precisei levar meu filho de seis anos para um procedimento de emergência ao HU e eles se negaram a atender, alegando que para que ele fosse considerado meu dependente, teria que tê-lo cadastrado no momento de seu nascimento”, relatou à Adusp uma docente do ICB. “Causou-me extrema estranheza essa informação, posto que jamais recebi, nos 20 anos de USP, qualquer informe ou solicitação de que esse procedimento era necessário. Meu filho consta no sistema Marte como meu dependente e recebo auxílio-creche, sem ter jamais solicitado”.

  • Inclusão do HRAC na pauta do Co

    A Adusp oficiou em 12/11 à Secretaria Geral da USP, encaminhando as assinaturas de 21% de membros do Conselho Universitário favoráveis a que seja incluída, na pauta da próxima reunião, apreciação da petição da Adusp para que seja anulada a desvinculação do HRAC, decidida irregularmente em 26/8.

  • Documentos e ofícios

  • Câmara Municipal de Bauru aprova moções do Fórum da Seis em defesa do “Centrinho”

    Por entender que “o Centrinho foi o berço de pesquisas que transformaram positivamente a vida de milhares de pessoas, que recebia e ainda recebe pacientes, estudantes, profissionais de diferentes Estados do Brasil e de outros países em busca da troca de experiência, da excelência e do tratamento conceituado”, a Comissão de Direitos Humanos, Cidadania e Legislação Participa­ti­va da Câmara Municipal de Bauru aprovou moção de apelo ao Conselho Universitário (Co) da USP, instando esse colegiado, “enérgica e enfaticamente”, a rever a modificação realizada em 26/8 no artigo 8º de seu Regimento Geral e assim manter o Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC), o chamado “Centrinho”, como órgão complementar da universidade.

  • Adusp pede ao Conselho Universitário que a desvinculação do HRAC seja anulada, porque não obteve quórum devido

    A Adusp protocolou na Reitoria, em 29/9, petição ao Conselho Universitário (Co) para que decrete a nulidade da decisão, tomada em 26/8/14, de desvinculação do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC), de Bauru. A petição seguiu em anexo ao ofício 035/2014, encaminhado ao secretário-geral da USP, professor Ignacio Poveda.

  • Atos públicos em Bauru em defesa do HRAC: "Fica, Centrinho!"

    Foram realizados dois atos públicos em defesa do HRAC de Bauru, em 23/9 e 2/10. Confira reportagem do Jornal da Cidade de Bauru sobre o ato de 2/10.

  • Após apoiar abertamente desvinculação do HRAC no Co, diretora da FOB recua e faz declarações contraditórias

    A diretora da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) e presidente do Conselho Deliberativo do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais de Bauru (HRAC, chamado de "Centrinho"), Maria Aparecida Machado, a Cidinha, vem recuando da posição que sustentou abertamente na reunião do Conselho Universitário (Co) de 26/8, de apoiar decididamente a proposta da Reitoria de desvinculação do hospital.

  • Bauru rebela-se contra transferência do HRAC

    Uma audiência pública sobre a desvinculação do HRAC (“Centrinho”), realizada em 16/9, lotou a Câmara Municipal de Bauru e mostrou forte resistência ao projeto do reitor M.A. Zago. O prefeito Rodrigo Agostinho compareceu e disse que o HRAC deve ser defendido “com unhas e dentes”. A convite da Câmara Municipal, o professor Francisco Miraglia manifestou-se, em nome da Adusp, e informou que a entidade pedirá ao Conselho Universitário da USP (Co) que a desvin­cu­la­ção seja revogada, até porque não obteve o quórum necessário.

  • No debate de 18/9, equipe do HU e docentes contestam relatório que fundamenta a proposta de desvinculação

    Foto: Daniel Garcia

    Sebastião Neto, autor, insiste em custo de R$ 1,5 milhão por leito/ano, sem convencer. Pinhata Otoch acusa a Reitoria de precipitação e leviandade

    O debate “A desvinculação do HU”, organizado pela Comissão de Mobilização da Adusp e realizado em 18/9 no auditório da Geografia, reuniu o professor José Sebastião Neto, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), autor do relatório utilizado pela Reitoria para subsidiar a proposta de desvinculação do Hospital Universitário e do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais de Bauru (HRAC), e o professor José Pinhata Otoch, diretor médico do HU.

  • Promotor de Saúde Pública recebe comissão e diz ver com preocupação planos da Reitoria para desvincular HU e HRAC

    O promotor Arthur Pinto Junior, da Promotoria de Saúde Pública do Ministério Público Estadual, recebeu em audiência, em 15/9, comissão composta por profissionais que atuam no Hospital Universitário (HU) e o presidente da Adusp, Ciro Correia, para tratar das propostas e do modo como a Reitoria tem investido contra a vinculação do HU e do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais de Bauru (HRAC, “Centrinho”) à USP.

  • Conselho Universitário adia por 30 dias decisão sobre HU, mas aprova desvinculação do HRAC

    “Demissões voluntárias” (PIDV) e reajuste salarial serão discutidos em 2/9, em nova reunião do Co

    Na reunião do Conselho Universitário (Co) de 26/8, realizada no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), a proposta da Reitoria de desvinculação do Hospital Universitário (HU) foi retirada da pauta por 30 dias. Porém, o Co aprovou por 63 votos a favor, 27 contrários e 16 abstenções a desvinculação do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais de Bauru (HRAC). Outros pontos previstos na pauta, como a proposta de criação de um Plano de Incentivo a Demissões Voluntárias (PIDV) e a questão das negociações salariais, foram remetidos a uma nova reunião do Co, a ser realizada já em 2/9.