Caro colega:
 
O final do semestre se aproxima. Estamos em greve, ratificada na última assembleia, contra o processo de desmonte que se expressa na tentativa da Reitoria de impôr um processo de avaliação institucional e docente com objetivos obscuros, no arrocho salarial, no abandono do HU, das creches, dentre outros processos destrutivos...
Se você considera que a pauta da greve é justa, se você pensa que não devem ser impostos o “Estatuto do Docente” nem as atribuições autocráticas da nova “Comissão Permanente de Avaliação (CPA)”, cujas bases foram rejeitadas, total ou parcialmente, por um grande número de congregações e de plenárias docentes, mesmo que você não esteja fazendo greve, convidamos: não entregue as notas do 1º semestre de 2016.
Pela natureza do nosso trabalho, não temos outros meios mais eficientes e rápidos para pressionar em momento de tanta urgência, já que a Reitoria pretende levar sua proposta ao Conselho Universitário do próximo 28 de junho.
A não entrega de notas é uma das nossas importantes ferramentas de pressão. Em 2014, contribuiu para a reabertura das negociações salariais, e agora pode voltar a colaborar para conseguirmos que esse projeto arbitrário seja retirado de pauta.
Não entregar as notas vai causar algum transtorno? Vai. E esse é o objetivo. Mas, como em 2014, temos sempre um compromisso efetivo de não prejudicar ninguém, limitando o lançamento de notas aos casos estritamente necessários e urgentes, como estudantes intercambistas ou que estejam se formando neste semestre.
A decisão de assembleia, bem como o fato de a categoria estar em greve constituem as garantias de legitimidade para adotarmos esse procedimento excepcional.
 

Não colabore com as imposições da Reitoria!

Não entregue as notas do 1º semestre!

 
 
São Paulo, 31 de maio de 2016
Assembleia Geral de ADUSP