Daniel Garcia
sarau
Mais um Sarau da Adusp foi realizado no dia 20/8, na sede da entidade. Na ocasião, a professora Terezinha Nackéd Zaratin lançou seu livro Comunicação Verbal, Educação Vocal

No último Informativo Adusp perguntávamos a quem serviria o ritmo alucinante que grassa na universidade com muito pouca graça. Muitos dirão que essa realidade não é “privilégio” nosso, uma vez que a pressa contaminou todos os domínios do mundo contemporâneo, para o bem ou para o mal, sob a hegemonia do Mercado. Além disso, essa velocidade vem junto com o individualismo, o “cada um por si”, mesmo quando somos assolados por deliberações autoritárias que nos atingem, vindas de governos, instituições, patrões, meios de comunicação etc.

Em um dos seus últimos escritos, saboroso e oportunamente denominado “Elogio da lentidão”, nosso saudoso geógrafo Milton Santos deixava a seguinte avaliação sobre esse ritmo alucinante: “O mundo de hoje parece existir sob o signo da velocidade. O triunfo da técnica, a onipresença da competitividade, o deslumbramento da instantaneidade na transmissão e recepção de palavras, sons e imagens e a própria esperança de atingir outros mundos contribuem, juntos, para que a ideia de velocidade esteja presente em todos os espíritos e a sua utilização constitua uma espécie de tentação permanente. Ser atual ou eficaz, dentro dos parâmetros reinantes, conduz a considerar a velocidade como uma necessidade e a pressa como uma virtude. Quanto aos demais não incluídos, é como se apenas fossem arrastados a participar incompletamente da produção da história” (Folha de S. Paulo, Caderno Mais, 11/3/2001). Milton Santos recomendava que buscássemos limitar essa velocidade para restabelecer uma cidadania, que visasse ao bem-estar coletivo, com tríplice significação: social, econômica e política.

Essa introdução foi motivada pelo debate em torno das prioridades de ação, para o semestre em curso, ocorrido na reunião do Conselho de Representantes (CR) da Adusp realizada no dia 30/8. Recuperar condições de trabalho condizentes com a natureza de nossa atividade; combater o produtivismo acoplado à carreira docente; discutir a situação previdenciária dos docentes concursados após 2003; retomar a luta pela democratização da USP, foram algumas das ações que o CR considerou prioritárias para diminuir esse ritmo.

Devemos ter ainda neste semestre a continuidade das negociações dos itens restantes da pauta unificada de data-base e da revisão salarial com base no aumento da arrecadação do ICMS, muito superior às cifras estipuladas nas previsões do governo e do Cruesp. Este último tema é alvo de um número especial do Jornal do Fórum das Seis que circulará nos próximos dias.

“Casa coletiva”

Com base nessas reflexões chegamos ao título deste texto, lembrando da época do movimento estudantil, quando muitos de nós nos deparávamos com a expressão “A UNE é a nossa voz!”

A Adusp é a nossa voz, no sentido de “casa coletiva” mencionada por Milton Santos em seu artigo? Essa pergunta reflete uma preocupação constante da diretoria da entidade, por conta não apenas da enormidade das tarefas que essas ações exigem, mas também pelo pequeno número de colegas que se dispõem a representar suas unidades no CR. Entendemos que essa reduzida participação, em certa medida, decorre da dificuldade de dispor de algumas horas por mês para atividades da Adusp. Ela também pode ser consequência de eventuais discordâncias com encaminhamentos aprovados pelas instâncias de deliberação da Adusp para as ações em que estivemos envolvidos. Acreditamos que um CR mais representativo das unidades da USP contribuiria para aproximar mais nossas deliberações do pensamento predominante entre o conjunto de docentes, pela oportunidade de debater os aspectos contraditórios dos temas em pauta.

Nos dias 28 e 29 próximos realizaremos eleições de novos membros do CR da Adusp nas unidades listadas no edital publicado nesta edição do Informativo Adusp. Solicitamos aos colegas dessas unidades empenho no sentido de fortalecer o Conselho por meio da apresentação de candidatos.

Colega, é necessário reforçar as instâncias democráticas da Adusp (CR e Assembleia Geral) para que a Adusp seja de fato a nossa voz!

Nossa próxima Assembleia ocorrerá no dia 22, às 17 horas, no Auditório Adma Jafet, do Instituto de Física, quando trataremos de algumas das questões mencionadas acima.

 

Informativo nº 312