Não bastassem os mantras do empreendedorismo e da inovação, repetidos ad nauseam pelas agências e escritórios da Reitoria da USP, agora chegou a vez do coaching religioso, impulsionado pela Pró-Reitoria de Graduação (PRG) ou, mais precisamente, pelo Escritório de Saúde Mental (ESM) a ela vinculado. Trata-se da palestra denominada “A importância e a necessidade da educação emocional”, a ser ministrada pelo pastor e missionário sul-coreano Yeong Kook Park nesta quinta-feira (14/11) às 14 horas, na Faculdade de Administração, Economia e Contabilidade (FEA).

Vejamos. Para sair da condição da "mente fraca", é preciso passar pela educação emocional, que proporciona uma mente forte e, consequentemente, uma vida feliz. Uma mente fraca pode ter como causas “bullying, divórcio, drogas etc.” Quando você “quebra a moldura pessoal de uma pessoa”, “um muro no coração” é derrubado e “o coração começa a fluir, então a pessoa será feliz quando o amor fluir”, explica o site do Instituto Internacional de Educação Emocional (IMEI). “Por meio da transformação dos corações, o IMEI traça a mudança e cria um espírito desafiador para que possa treinar pessoas de destaque”, prossegue o site.

O tema e os termos parecem nada científicos ou acadêmicos, mas a comunidade uspiana – especialmente os alunos – está sendo convidada a saber, na palestra do pastor Park, como o IMEI pode ajudá-la a alcançar tamanha felicidade. O evento ocorrerá no Auditório Safra da FEA, na Cidade Universitária. As inscrições são gratuitas. Porém, para chegar a esse preparatório do Nirvana, é necessário inscrever-se antecipadamente.

De acordo com o seu site na internet, o ESM “trabalha na prevenção de sofrimentos, orientação e acolhimento inicial ao estudante de graduação e pós-graduação da USP e aos estudantes intercambistas da Agência USP de Cooperação Nacional e Internacional”. Seu coordenador é o professor Andrés Eduardo Aguirre Antúnez, vice-diretor do Instituto de Psicologia (IP) da USP.

No convite enviado pela internet, assinado por Antúnez, o ESM informa que “a palestra abordará uma perspectiva que valoriza a importância de uma educação emocional com os jovens, valorizando as artes, a música e a cultura”, perspectiva esta nascida na Coreia do Sul por meio do IMEI, cujos líderes “ministram palestras em todo mundo” e “trabalham com voluntários que ajudam jovens que passam por situações difíceis”. O IMEI foi criado em 2013 e chegou ao Brasil em 2017.

O palestrante do encontro na USP é um pastor evangélico e missionário sul-coreano de 45 anos, “casado com uma brasileira e pai de dois filhos e uma filha”, acrescenta o convite. Entre outros cargos, Yeong Kook Park é professor de Teologia na Faculdade e Centro de Treinamento Bíblico Mahanaim (referência a Maanaim, local citado várias vezes no Antigo Testamento), na Coreia do Sul. Nas últimas décadas, o país assistiu a um enorme crescimento das igrejas cristãs, cujo número de membros supera o dos que se declaram budistas (29% e 23% da população, respectivamente, de acordo com dados de 2017).

O currículo de Park na instituição teológica informa que ele já teve encontros com chefes de Estado, como o presidente do Paraguai e o rei da Suazilândia. Park atua também na Good News Church (Igreja da Boa Nova), em Nova York.

Palestrar e “aprender a expressar o coração”

O site do IMEI assegura que o instituto “é o melhor do mundo na área de educação emocional” e desenvolve “cursos em todos os níveis, inclusive a nível [sic] universitário, congressos, conferências, palestras, seminários, treinamento, workshops, ou quaisquer outros meios de divulgação do ensino de educação emocional”.

“As pessoas vivem a vida tentando se mudar [sic], incapazes de libertar-se de uma ideia fixa porque não conhecem o caminho do coração”, informa também o site. Para resolver esse grave problema, o IMEI, então, “ensina precisamente o mundo do coração e fornece mentes saudáveis que levarão as pessoas a uma vida bem-sucedida e feliz”, “superando os problemas da vida e curando a sociedade doente com o objetivo de nutrir talentos com base na mente e no caráter corretos”. Simples assim!

Entre as atividades que o instituto já realizou no Brasil estão as “competições de palestras de educação emocional”. Na segunda edição, em agosto do ano passado, informa o site, cerca de 80 pessoas participaram. “A competição foi um incentivo e treinamento a palestrar e também aprender a expressar o coração”, esclarece a instituição. Se no começo os participantes “sentiram um grande fardo para palestrar, pois para muitos seria a primeira vez”, ao final “todos puderam agradecer e também testemunhar a mudança em seus corações através desta competição”. 

Portanto, espera-se para a segunda quinzena de novembro que novos ventos de felicidade passem a soprar nos atribulados corações que perambulam pela Cidade Universitária. Será que o coaching religioso resolverá as deficiências do ESM?