Entre a manhã de 27/3 e a tarde de 30/3, estudantes da Unicamp mantiveram ocupado o prédio da Reitoria. O movimento, que reivindicava principalmente melhorias no programa de moradia estudantil, teve início com 60 estudantes, mas cresceu e ultrapassou o número de 300. Eles só deixaram o local após a Reitoria fazer concessões importantes.

A Reitoria afastou a professora Kátia Stancato, coordenadora do programa de moradia estudantil, e se comprometeu a dar início à reforma das residências do Bloco B, que têm problemas estruturais, arcando com os gastos de aluguel, água, luz e transporte dos estudantes que serão desalojados pelas obras. A Reitoria também reconheceu a necessidade de ampliar as vagas da moradia estudantil, e criou um grupo de trabalho que estudará a ampliação.

Outras duas reivindicações foram contempladas: o reitor José Tadeu Jorge se posicionou publicamente sobre os decretos do governador José Serra que atacam a autonomia universitária, em artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo (6/4); e a próxima reunião do Conselho Universitário colocará em pauta a posse dos representantes discentes nos conselhos centrais da universidade, que até então não eram reconhecidos pela Reitoria, e o controle dos estudantes sobre o respectivo processo eleitoral.

Segundo a estudante Mariana Martins, do DCE da Unicamp, “a ocupação cumpriu o papel de mostrar que a mobilização pode trazer conquistas”.

 

Matéria publicada no Informativo nº 233