A Adusp realizará em 15/9 debate público com a professora Ana Lúcia Pastore Schritzmeyer (FFLCH), ex-superinten­dente de Prevenção e Proteção da USP, exonerada em 2014 após tentar implementar um modelo de policiamento comunitário baseado na ampliação do contingente da Guarda Universitária (GU) e no diálogo com a comunidade. Intitulado “USP segura?”, o debate acontecerá no auditório da Geografia, às 17 horas.

Também convidado a participar do debate, o professor José Antonio Visintin, atual superintendente de Prevenção e Proteção Universitária, não pode atender nosso convite, “em função de outros compromissos já assumidos fora de São Paulo” (Ofício nº 080/01092015/SSEG).

Em 4/9, a Adusp enviou novo ofício ao professor Visintin convidando-o para outro debate “USP segura?”.

A Reitoria, porém, aproveita-se mais uma vez da repercussão de um episódio de violência para impor seus planos sem consultar a comunidade universi­tária. Um dia após o estudante Alexandre de Oliveira Cardoso ter sido baleado em tentativa de assalto ocorrida em 1/9 na FFLCH, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) divulgou que o novo sistema de policiamento na USP começará a ser aplicado em 7/9. A Reitoria havia prometido abrir o debate sobre o “modelo  japonês de policiamento”, mas José Antonio Visintin, superintendente de Prevenção e Proteção, declarou ao jornal Folha de S. Paulo: “O plano está em andamento. Agora não posso ficar discutindo, discutindo, discutindo e os fatos acontecendo na USP. A discussão acontecerá paralela­men­­te à implementação”.

Informativo nº 405