Total de docentes efetivos da universidade caiu de 6.142, em 2014 (primeiro ano da gestão Zago-Vahan), para 5.454 em agosto último. Proposta de distribuição de 250 claros docentes apresentada em “reunião de dirigentes” realizada em julho é confusa e fala em “recomposição parcial” do corpo docente

Há seis meses, o Informativo Adusp noticiava um déficit de 579 docentes, em comparação a setembro de 2014, assinalando: “Encerrado o primeiro ano da gestão reitoral V. Agopyan-A. Hernandes, o número de docentes em atividade na USP continua em queda, apesar das cerca de 100 contratações realizadas pela Reitoria em 2018. O total de docentes efetivos caiu de 5.643 no ano passado para 5.563 em janeiro de 2019”.

Levantamento da Adusp, realizado a partir da análise de dados preliminares da folha de pagamento de agosto de 2019, confirma a continuidade da tendência de redução do corpo docente. O número de docentes efetivos em atividade na USP caiu para 5.454 em agosto, contra 5.563 em janeiro e 5.523 em abril.

Quando se compara o número atual de efetivos, 5.454, ao número de setembro de 2014, que era de 6.142, chega-se ao impressionante déficit de 688 docentes. Que a Reitoria parece disposta a mitigar com soluções paliativas, como a contratação de professores temporários em regime de 12 horas (atualmente somam 238), ou até a contratação de 250 pós-doutores em regime de 8 horas com salários igualmente aviltados, tal como prevê o Edital 2019-2020 do chamado “Programa de Atração e Retenção de Talentos” (PART).

As contratações por concurso público continuam ocorrendo, lentamente (apenas 32 desde janeiro), mas estão longe de repor as vagas deixadas por aposentadorias e exonerações (somadas, 158 no mesmo período). “Até o final da gestão Vahan seremos 1 mil a menos”, adverte o professor Rodrigo Ricupero, presidente da Adusp. “E sob a ameaça de assistirmos à criação de uma nova categoria de professores, totalmente precarizada, nos moldes do PART”.

Nesse cenário alarmante, chega a notícia de que uma “reunião de dirigentes” — instância inexistente no Estatuto da USP, mas que substitui de facto o Conselho Universitário como fórum decisório comandado pelo reitor — apreciou uma proposta denominada “Definição de critérios e parâmetros para a distribuição de 250 claros docentes”. A proposta foi desenvolvida pelo grupo de trabalho (GT) criado pela Portaria GR 249/2019 com o objetivo de subsidiar a Comissão de Claros Docentes.

Composto pelas professoras Belmira Amélia de Barros Oliveira Bueno (FE), Silvana Martins Mishima (EERP) e Liedi Légi Bariani Bernucci (EP), coordenadora, o GT apresentou, na “reunião de dirigentes” de 30 e 31/7/2019, um estudo confuso, além de elaborado “de cima para baixo”, pois não há notícia de que o assunto tenha sido discutido nas congregações. Ele é dividido em quatro blocos, cujo eixo central é sempre a reposição assumidamente parcial do corpo docente.

A apresentação não indica os quantitativos da “recomposição parcial”

“Reposição parcial do quadro de docentes perdidos entre os anos de 2014 e 2019, procurando recompor parte do quadro docente nas diferentes unidades de ensino” é o primeiro bloco. “Foram estudadas, complementarmente, as perdas entre 2012 e 2019 e entre 2010 e 2019, de maneira a comparar os períodos e eleger o mais representativo das perdas sofridas”. O segundo bloco, que não se sabe bem por que foi apartado do primeiro, é: “Recomposição parcial do quadro de docentes em Museus e em Institutos Especializados”.

A apresentação, porém, não indica os quantitativos que contemplariam as unidades, museus e institutos especializados. O chefe de Gabinete da Reitoria, professor Gerson Tomanari, é que informou à Adusp o número de claros docentes que caberá aos dois primeiros blocos, somados: 150.

A novidade maior está no terceiro bloco: “Distribuição de vagas para unidades com grandes projetos de pesquisa, e grande impacto nos indicadores de produção qualificada, incluindo [projetos] temáticos de grande monta, Cepids e CPEs (Fapesp); Unidades Embrapii; Jovens Pesquisadores (Fapesp) entre outros”. Segundo o chefe de Gabinete, este bloco será contemplado com 50 claros.

Embrapii é a sigla para a “organização social” Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial, que mantém um contrato de gestão com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). De acordo com a Agência USP de Inovação (Auspin), as “unidades Embrapii” da USP são a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), o Instituto de Física de São Carlos (IFSC) e a Escola Politécnica (EP).

O quarto e último bloco é “Distribuição de vagas para áreas interdisciplinares” e o único em que a apresentação do GT define claramente o número de claros. Ele faria jus aos 50 claros restantes, sendo que seria destinado um claro por unidade de ensino, museu ou instituto especializado.

Apesar da profusão de gráficos sofisticados, o trabalho do GT pouco acrescenta à solução do enorme déficit de professores efetivos enfrentado atualmente pela universidade. A ideia de “recomposição parcial” já parte de um patamar rebaixado. Por outro lado, o direcionamento de uma parte dos claros para unidades envolvidas com “grandes projetos” pode comprometer até mesmo a recomposição limitada que se anuncia, caso implique o anunciado “compartilhamento” de equipamentos e docentes com a iniciativa privada. Além disso, cria um fator externo de distribuição de docentes, que não segue as necessidades causadas pelas perdas sofridas.

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.