“Fica instituída, na Câmara Municipal de Piracicaba, a ‘Medalha de Mérito Estudantil Professor Olavo de Carvalho’, a ser entregue aos 3 (três) alunos com maior pontuação no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), no âmbito do Munícipio”. Este é o artigo 1º do projeto de decreto legislativo 8/2022, apresentado à Câmara Municipal de Piracicaba pelo vereador Fabrício José Raetz de Oliveira Polezi (Patriota) no dia 7/2.
 
A proposta é rejeitada por docentes da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP). Em artigo intitulado “Cuidado, senhoras vereadoras e senhores vereadores!”, publicado no jornal A Tribuna Piracicabana no dia 10/2, o professor aposentado Sérgio de Oliveira Moraes, da Esalq, apresentou suas críticas ao projeto do vereador Polezi, expressando um ponto de vista que é compartilhado por um grupo de colegas que continuam na ativa.
 
O docente é graduado em Física pela Unesp, com mestrado no Centro de Energia Nuclear (CENA-USP), doutorado em Solos e Nutrição de Plantas pela Esalq e especialização na Agência Internacional de Energia Atômica, em Viena, Áustria. Atuou no Departamento de Engenharia de Biossistemas da Esalq por quatro décadas (1986-2017), lecionou na pós-graduação e foi homenageado pela unidade ao se aposentar.
 
Referência do movimento neofascista no Brasil, Olavo de Carvalho, recentemente falecido, pretendia-se “filósofo”. Adepto de diversos negacionismos, opôs-se à vacina contra a Covid-19 e acredita-se que tenha morrido da doença. Sua vida pessoal foi marcada por questões como não cursar instituições regulares de ensino, “deixar os próprios filhos no analfabetismo”, “defender o hábito de fumar” e até apontar uma arma para a cabeça dos filhos pequenos, conforme relatado por sua filha em depoimento disponível em vídeos do Youtube.

Na visão de Olavo, Einstein era “farsante” e Galileu “charlatão”

No seu artigo no jornal local, o professor Moraes faz rápida menção a tais fatos, mas prefere abster-se de comentá-los: “A lista é grande e o tempo é curto”. Ele se concentra nos ataques cometidos por Olavo à ciência e aos cientistas. Três afirmações colhidas das falas de Olavo, destaca, “resumem minha preocupação caso tal medalha seja instituída”. A saber: 1) “ Albert Einstein foi um farsante e inventou a Teoria da Relatividade”; 2) “ Isaac Newton é portador de uma burrice formidável”; 3) “Galileu Galilei não passou de um charlatão protegido pelo papa.”
 
Quanto à primeira afirmação, diz o professor, “depreende-se pela sequência que se trata da Teoria da Relatividade Restrita e não a Geral, já amplamente confirmada pela ciência (seja nas viagens espaciais, seja na detecção de partículas na superfície terrestre, entre uma série de outras comprovações, aqui simplificadas)”.
 
Em relação à teoria da gravidade de Newton, Moraes lembra que, “por tratar Newton de velocidades e corpos que fazem parte do nosso dia a dia, a todo momento a utilizamos (seja para estudar a queda de uma maçã, seja para prever o movimento de satélites ou planetas, ou para sacudir um frasco de molho e interromper bruscamente para que o tal molho escorra para nosso prato, utilizando instintivamente a Lei da Inércia). “Burrice”?, questiona.
 
Quanto a Galileu, observa: “Até hoje seus estudos sobre a composição de movimentos são utilizados em balística, por exemplo, e suas discussões sobre a Física Aristotélica (384 A. C.) são geniais!”
 
O professor conclui pedindo aos vereadores de Piracicaba que “reflitam bastante, pois a aprovação do nome do ‘professor’ Olavo de Carvalho para tal premiação significa endossar suas ideias. Ou seja: ‘Albert Einstein farsante, Isaac Newton burro e Galileu Galilei charlatão!’”. Adverte: “A História, a Ciência e a Filosofia os julgarão — senhores e senhoras vereadores e vereadoras — caso aprovem tal iniciativa, bem como boa parte de piracicabanos (envergonhados)!”.

Ipedd vê guru do neofascismo como “misógino, racista, homofóbico” e “figura nefasta”

O vereador do Patriota também é autor do projeto de lei 23/2022, que denomina “Praça Professor Olavo de Carvalho” uma área verde localizada no bairro Jardim São Francisco.
 
Ambas as propostas são contestadas pelo Instituto Piracicabano de Estudos e Defesa da Democracia (Ipedd), que em nota emitida na terça-feira (15/2) lembra que Olavo foi inspirador do terraplanismo e que “nunca escondeu sua condição de sujeito misógino, racista, homofóbico e incentivador da afronta aos poderes da República, sobretudo a partir das investidas autoritárias e neofacistas de [Jair] Bolsonaro”.
 
Recorda ainda o Ipedd que Olavo posicionou-se como “incentivador da guerra cultural aos valores e às instituições democráticas, pois considerava que essas seriam as causas do declínio da hegemonia ocidental cristã e da ascensão de potências do Oriente”.
 
Por tais razões, a entidade considera um contrasenso as homenagens propostas. “Conferir uma medalha de mérito estudantil a essa figura nefasta é um acinte ao bom senso e à inteligência civilizatória, além de representar uma péssima referência aos jovens. Por outro lado, área verde deve ser considerada um espaço da esfera pública social e, como tal, deve estar referenciado na ampliação do exercício democrático e não o contrário”.
 
Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.