Documento exige ainda a revogação da reforma do Ensino Médio e, nas universidades e institutos federais, a substituição de interventore(a)s nomeado(a)s pelo MEC por quem tenha sido mais votado(a) nos respectivos processos eleitorais 

O Andes-Sindicato Nacional dos Docentes nas Instituições de Ensino Superior, que representa o(a)s professore(a)s de ensino superior e básico, técnico e tecnológico das instituições públicas de todo país, encaminhou carta às e aos candidatos à Presidência da República nas próximas eleições, na qual tece considerações sobre a importância estratégica das instituições de ensino superior (IES), sobre os princípios que orientam sua própria atuação como entidade sindical nacional e sobre o cenário atual da educação superior no país. A partir desses pressupostos, o documento elenca dez reivindicações e propõe à(o)s presidenciáveis que se comprometam a atendê-las. 

“As IES são patrimônios sociais, fundamentais para a formulação de conhecimento e transmissão de experiências culturais e científicas da sociedade. Além de indispensáveis para a constituição da identidade social e de um modelo de desenvolvimento soberano e independente para o país e seu povo”, define a carta, cuja elaboração e envio às candidaturas à Presidência da República atendem a uma decisão do 65º Conad, realizado em julho de 2022 em Vitória da Conquista (BA). Ela só não foi encaminhada ao candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL).

O Andes-SN, continua a carta, orienta sua atuação a partir de um projeto de universidade, instituto federal e centro federal de educação tecnológica (Cefet) que tem como princípios a manutenção e ampliação do ensino público e gratuito, autonomia e funcionamento democrático da universidade e demais IES, “com base em colegiados e cargos de direção eletivos”; um “padrão de qualidade para o ensino superior que estimule a pesquisa e a criação intelectual críticas nas universidades”; dotação de recursos públicos orçamentários suficientes para ensino, pesquisa e extensão nas universidades públicas e demais instituições; “garantia do direito à liberdade de pensamento nas contratações e nomeações para as IES” e no exercício das funções acadêmicas.

O texto denuncia a profunda crise nacional: “Vemos a precarização das condições de vida do povo trabalhador brasileiro alcançar patamares dramáticos. A fome, a miséria, o desemprego, a carestia, a violência e as crescentes restrições de liberdades democráticas compõem um cenário de grandes retrocessos históricos para o Brasil”, assinala. 

Tal cenário inclui profundos ataques à educação pública: “O orçamento para a educação em 2022 é equivalente ao orçamento de dez anos atrás. Um desfinanciamento que compromete o funcionamento das IES, a qualidade do tripé ensino, pesquisa e extensão, a permanência dos e das estudantes e as condições de trabalho dos e das docentes”. Concomitantemente, lembra a carta, o governo Bolsonaro nomeou vinte e cinco interventores em universidades públicas e institutos federais.

Assim, o Andes-SN aponta às e aos presidenciáveis medidas que possam reverter este estado de coisas. A primeira delas: “Revogar a EC 95, que impôs o teto dos gastos para as áreas prioritárias, e assumir o compromisso de ampliação do orçamento para educação pública, sem cortes, redução e contingenciamento”. No mesmo espírito, “Reconhecer e defender a educação pública como um instrumento fundamental para o desenvolvimento econômico, social, cultural e político do país e para a garantia de direitos básicos, da cidadania e das liberdades democráticas”, ou, em outras palavras, “adotar a educação como uma responsabilidade do Estado e não implantar medidas de privatização direta ou indireta”.

A carta propõe, igualmente, revogar as nomeações de interventore(a)s, “com garantia de nomeação do(a) mais votado(a)s pela comunidade acadêmica em cada instituição, acabando com o instrumento da lista tríplice, em respeito à plena autonomia universitária e promovendo condições para a gestão democrática nas IES”. 

Quanto à pandemia de Covid-19, recomenda garantir “estrutura das IES com segurança para o retorno presencial e pela construção democrática de um ‘Plano Sanitário e Educacional: em defesa da vida e da educação’, visando a recuperação para toda(o)s a(o)s estudantes afetado(a)s pelas dificuldades durante o período remoto, adequação das estruturas físicas, acesso à ferramentas digitais e condições de trabalho e estudo dignas e sanitariamente seguras”. 

O Andes-SN considera essencial não apenas preservar as políticas afirmativas em vigência, mas ampliá-las: “Manter, ampliar e realizar o monitoramento das políticas de cotas, afirmativas de direito e equidade social nas universidades, institutos federais e Cefets, no que se refere à assistência e permanência estudantil, ações de ensino, pesquisa, extensão, pós-graduação e concursos públicos para docentes e técnico(a)-administrativo(a)s”.

A carta também toma posição frente a reformas e programas vinculados à agenda neoliberal para a educação e implantados nos últimos anos com consequências deletérias para a qualidade do ensino. Reivindica, desse modo, que seja revista a implantação da Reforma do Ensino Médio e da Resolução CNTE/Cp 02/2019, “que altera as diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial de professore(a)s para a Educação Básica (BNC formação), que está articulada com a Reforma do Ensino Médio e a BNCC da educação básica”. Isso porque, explica, tais dispositivos “rebaixam a formação universitária do(a)s docentes da educação básica e a formação da juventude em geral”.

Pede ainda a revogação do Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação (lei 13.243/2016), bem como o “arquivamento do ReUni Digital e não implantação de demais programas que reforcem a educação a distância e a precarização da educação pública”, destacando, em contrapartida, a defesa do ensino presencial. 

O Andes-SN defende igualmente, na carta, a liberdade de cátedra e o livre pensamento e informação, “vedando[-se] qualquer forma de censura ou discriminação de natureza filosófica, religiosa, ideológica, política, étnica, de gênero ou orientação sexual”. 

Íntegra da Carta do Andes-SN às e aos presidenciáveis

O Andes-SN, que representa o(a)s professore(a)s de ensino superior e básico, técnico e tecnológico das instituições públicas de todo país, foi fundado em 1981 como Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior, nos marcos da luta contra a ditadura empresarial-militar e pela redemocratização do país.

A defesa do direito à educação pública é a pauta prioritária do Andes-SN, evidente em seus 41 anos de existência. E o caráter público das Instituições de Ensino Superior (IES) se efetiva pela sua capacidade de representar social, cultural, intelectual e cientificamente a sociedade. Isso só é possível por meio da formulação de conhecimento inovador e crítico, com respeito à diversidade e ao pluralismo, rejeitando, assim, o papel da mera reprodução de estruturas, valores e relações desiguais de poder.

As IES são patrimônios sociais, fundamentais para a formulação de conhecimento e transmissão de experiências culturais e científicas da sociedade. Além de indispensáveis para a constituição da identidade social e de um modelo de desenvolvimento soberano e independente para o país e seu povo.

Nesse sentido, o Andes-SN orienta sua atuação a partir de um projeto de universidade, instituto federal e CEFET, que tem como princípios: 1. manutenção e ampliação do ensino público e gratuito; 2. autonomia e funcionamento democrático da universidade e demais instituições de ensino superior, com base em colegiados e cargos de direção eletivos; 3. estabelecimento de um padrão de qualidade para o ensino superior que estimule a pesquisa e a criação intelectual críticas nas universidades; 4. dotação de recursos públicos orçamentários suficientes para o ensino, a pesquisa e a extensão nas universidades públicas e demais instituições; 5. criação de condições para adequação das IES à realidade brasileira; 6. garantia do direito à liberdade de pensamento nas contratações e nomeações para as IES, bem como no exercício das funções e atividades acadêmicas.

Esta carta é escrita diante de um dos momentos mais desafiadores na história do Brasil. Vemos a precarização das condições de vida do povo trabalhador brasileiro alcançar patamares dramáticos. A fome, a miséria, o desemprego, a carestia, a violência e as crescentes restrições de liberdades democráticas compõem um cenário de grandes retrocessos históricos para o Brasil.

Como parte disso, enfrentamos um período de profundos ataques à educação pública. O orçamento para a educação em 2022 é equivalente ao orçamento de dez anos atrás. Um desfinanciamento que compromete o funcionamento das IES, a qualidade do tripé ensino, pesquisa e extensão, a permanência dos e das estudantes e as condições de trabalho dos e das docentes.

Ainda, tivemos, durante o governo Bolsonaro, vinte e cinco (25) nomeações de interventore(a)s para as universidades federais e institutos, resultando em um dos maiores ataques à autonomia político-administrativa, didático-pedagógica e financeira da história. Enfrentamos o retorno presencial sem a garantia das condições sanitárias, o que vem acompanhado de propostas de ampliação do ensino a distância nas universidades públicas.

Também vivenciamos uma conjuntura de escalada autoritária que repercute nas universidades, institutos federais, CEFETs e no nosso fazer profissional. Estruturas de poder excludentes cerceiam significativamente a participação da comunidade na esfera das decisões acadêmicas e administrativas, privilegiando propostas clientelistas ou que correspondam a interesses privatizantes. Perseguições políticas se materializam em ataques ao conteúdo das nossas aulas, à bibliografia proposta para as disciplinas, ao objeto de pesquisa dos nossos projetos e às demais atividades do nosso cotidiano profissional, o que fere frontalmente a liberdade de cátedra e a essência da educação enquanto processo de diálogo, crítico, plural e coletivo.

Frente a esse cenário, o Andes-SN dirige-se às candidatas e aos candidatos à Presidência da República no intuito de apresentar proposta de compromisso a ser assumido em defesa da educação pública, contemplando as seguintes reivindicações:

  1. Revogar a EC 95, que impôs o teto dos gastos para as áreas prioritárias, e assumir o compromisso de ampliação do orçamento para educação pública, sem cortes, redução e contingenciamento;
  2. Reconhecer e defender a educação pública como um instrumento fundamental para o desenvolvimento econômico, social, cultural e político do país e para a garantia de direitos básicos, da cidadania e das liberdades democráticas. Sendo assim, adotar a educação como uma responsabilidade do Estado e não implantar medidas de privatização direta ou indireta;
  3. Manter, ampliar e realizar o monitoramento das políticas de cotas, afirmativas de direito e equidade social nas universidades, institutos federais e CEFETs, no que se refere à assistência e permanência estudantil, ações de ensino, pesquisa, extensão, pós-graduação e concursos públicos para docentes e técnico(a)-administrativo(a)s.
  4. Revogar as nomeações de interventore(a)s com garantia de nomeação do(a) mais votado(a)s pela comunidade acadêmica em cada instituição, acabando com o instrumento da Lista Tríplice, em respeito à plena autonomia universitária e promovendo condições para a gestão democrática nas IES;
  5. Garantir estrutura das IES com segurança para o retorno presencial e pela construção democrática de um “Plano Sanitário e Educacional: em defesa da vida e da educação”, visando a recuperação para toda(o)s a(o)s estudantes afetado(a)s pelas dificuldades durante o período remoto, adequação das estruturas físicas, acesso à ferramentas digitais e condições de trabalho e estudo dignas e sanitariamente seguras;
  6. Garantir remuneração integral e isonômica dos integrantes de mesmo nível da carreira, com reposição das perdas salariais, respeito aos direitos da carreira e reajustes que compensem as perdas acumuladas.
  7. Defender o ensino presencial, pelo arquivamento do ReUni Digital e não implantação de demais programas que reforcem a educação a distância e a precarização da educação pública;
  8. Rever a implantação da Reforma do Ensino Médio e da Resolução CNTE/Cp 02/2019 que altera as diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial de professore(a)s para a Educação Básica (BNC formação), que está articulada com a Reforma do Ensino Médio e a BNCC da educação básica. Esses dispositivos rebaixam a formação universitária do(a)s docentes da educação básica e a formação da juventude em geral;
  9. Defender a liberdade de cátedra e o livre pensamento e informação, vedando qualquer forma de censura ou discriminação de natureza filosófica, religiosa, ideológica, política, étnica, de gênero ou orientação sexual;
  10. Revogar o Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação (Lei nº 13.243/2016), para que recursos públicos possam ser destinados para a Ciência e Tecnologia desenvolvida em instituições públicas.

A qualidade da educação pública ganha sentido quando torna o resultado do processo educacional acessível à sociedade, contribuindo para a melhora da qualidade de vida da população. O modelo econômico adotado no Brasil, que privilegia o capital financeiro, tendo a dívida pública como o principal mecanismo de apropriação do orçamento da União, impõe limites para um projeto de educação verdadeiramente pública, de qualidade, laico, socialmente referenciado e gratuito.

Na perspectiva da defesa do exposto acima, que sintetiza os elementos fundamentais em favor da educação pública, convidamos Vossa Senhoria a assumir esses pontos como compromissos.

Por fim, saudamos o processo de escolha democrática reafirmando o pacto deste Sindicato Nacional com o legítimo direito do povo brasileiro de escolher o(a)s seus(suas) representantes e ter a sua vontade expressa pelo voto absolutamente respeitada.

 

Brasília (DF), 30 de agosto de 2022

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.