No dia 26 de fevereiro de 2018, por volta das 8:30 da manhã, liguei para a Prefeitura da USP (tel.3091-4222). 

“Prefeitura da USP, bom dia”, atendeu ao telefone um funcionário.

“Bom dia. Os portões da USP estão abertos hoje?”, perguntei.

“Sim, estão abertos. Os portões não abrem somente nos domingos e feriados,” respondeu o funcionário.

“Mas hoje é ponto facultativo. Em dezembro entre Natal e Ano Novo houve quase uma semana inteira de ponto facultativo, e os portões estavam fechados. Qual é a regra?”, indaguei.

“Depende das agências bancárias. No ponto facultativo, se as agências funcionam, os portões abrem, caso contrário são fechados. As regras são definidas pela Reitoria da USP,” explicou o funcionário.

Agradeci e me despedi. “A USP abre para servir aos bancos e não o contrário?”, perguntei a mim mesmo, perplexo.

Muitos dos que trabalham na USP necessitam acesso ao local de trabalho em todos os horários. Os portões fechados dificultam este acesso. No meu caso, o fechamento dos portões me obriga fazer um detour de mais de uma dezena de quilômetros, obrigando-me a desperdiçar mais de uma hora de trânsito por ruas congestionadas na viagem de ida e volta e gastos de combustível. Muitas vezes esse detour inviabiliza a viagem, prejudicando a realização de trabalhos, causando a perda de insumos caros (hélio líquido, por exemplo), aumentando gastos operacionais e tornando o trabalho menos eficiente.

Há mais de uma década venho fazendo esforços para gerar uma sensibilidade da administração da USP a este problema, e ter o acesso facilitado para trabalhar. Já escrevi ao ombudsman há muitos anos, não recebi resposta. No Instituto de Física, já levantei o problema aos diretores das últimas quatro administrações, mas nunca recebi uma resposta.

Já fui visitante na Inglaterra (Oxford), Holanda (Nijmegen e Eindhoven), Estados Unidos (Boston), França (Grenoble), Alemanha (Dortmund). Em todos estes locais me foi facilitado o acesso ao local de trabalho em qualquer hora do dia e qualquer dia do ano. 

Causa perplexidade a dificuldade que há para se ter acesso ao local de trabalho aqui. Não consigo compreender como a administração pode facilitar o acesso ao campus para eventos esportivos ou interesses bancários, mas não facilita o acesso de quem trabalha ou estuda na Universidade. Mas deveria, pois é o trabalho o gerador de conhecimento que é própria razão de existência da Universidade, assim como é crucial para elevar a posição da USP no ranking das Universidades.

Andre Bohomoletz Henriques, professor do IF

 

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.