Prefeitura do Campus anunciou que contrato com a empresa terceirizada que prepara as refeições se encerra nessa data, sem perspectiva de renovação. “É assustadora a maneira como a maior universidade de pesquisa da América Latina trata seus jovens pesquisadores em formação”, diz APG da USP de Ribeirão Preto, e DCE-Livre convoca protesto: “Bandejão é permanência! Os estudantes precisam comer!”

O Diretório Central dos Estudantes (DCE-Livre) “Alexandre Vannucchi Leme” está convocando os estudantes da USP de Ribeirão Preto a participarem de manifestação na quarta-feira 19/2, ao meio-dia, em frente ao Restaurante Universitário (RU), conhecido como Bandejão. Razão da mobilização: conforme comunicado emitido pela própria Prefeitura daquele campus (PUSP-RP), o contrato firmado em 2017 com a empresa terceirizada que prepara as refeições servidas no Bandejão de Ribeirão Preto terminará no dia 19/2 e não será prorrogado, não havendo previsão de quando uma nova empresa assumirá o serviço.
 
Ainda de acordo com a PUSP-RP, o contrato poderia ter sido prorrogado por mais um ano, porém a empresa, embora tenha sido consultada a respeito, “somente na penúltima semana de dezembro declarou que não tinha interesse na prorrogação, alegando necessidade de reestruturação interna, visando ao equilíbrio econômico dos seus negócios”.
 
Alega ainda a PUSP-RP que, além das tratativas com a empresa para que aceitasse a prorrogação de contrato, buscou “possíveis alternativas” com a Procuradoria Geral da USP e a Vice-Reitoria. “Mas, esgotadas todas as possibilidades legais, lamentavelmente o contrato será encerrado em 19/2/2020”. A data coincide com a Calourada.
 
Por fim, explica o comunicado oficial que está sendo providenciado um novo edital para a contratação dos serviços do Bandejão, e que, “até que a licitação seja concluída, estamos verificando diversas possibilidades de suprir a demanda dos alunos com grande vulnerabilidade social (bolsistas com Perfil P1)”. Bolsista P1, segundo o Serviço de Assistência Social (SAS, antiga Coseas), é o aluno com alta necessidade de apoio para assegurar condições de permanência na Universidade, segundo sua classificação no Programa de Apoio à Permanência e Formação Estudantil (PAPFE).
 
O comunicado da PUSP-RP e as informações que prestou em reunião com as entidades estudantis geraram forte reação. “É estarrecedor que não haja nenhuma assistência aos estudantes, além dos que obtiveram Perfil 1 no Programa de Apoio à Permanência e Formação Estudantil – PAPFE, que serão extremamente prejudicados com tal medida”, declarou em nota o DCE-Livre. “O Restaurante Universitário é essencial à permanência na desgastante vida acadêmica dos estudantes! Bandejão é permanência! Os estudantes precisam comer!”.
 
Após relatar as informações prestadas pela PUSP-RP na reunião, a Associação de Pós-Graduandos da USP de Ribeirão Preto resumiu assim a situação: “A Prefeitura diz que até o momento não tem solução. Caso a licitação finalize sem interessados, a gestão apresentou as seguintes opções: entrega de marmitas ou cestas básicas, somente para bolsistas com Perfil 1”. No entender da associação, estas propostas “não consideram o número de alunos que utilizam o RU diariamente, desde o café da manhã ao jantar”.
 
Segundo os pós-graduandos, em 2018 foram servidas mais de 511 mil refeições (almoço e jantar) e mais de 39 mil cafés da manhã, conforme relatório da própria PUSP-RP. O não funcionamento do RU, prossegue a nota da associação, “impacta diretamente a sobrevivência dos estudantes de pós-graduação deste campus, pois a maioria realiza jornadas laborais de pesquisa de 40 horas semanais (ou mais), expostos a riscos laboratoriais, sem direito a auxílio insalubridade, plano de saúde, seguro de vida, férias, transporte, e agora possivelmente sem acesso à alimentação subsidiada pela instituição”. Conclui a nota da APG da USP de Ribeirão Preto: “É assustadora a maneira como a maior universidade de pesquisa da América Latina trata seus jovens pesquisadores em formação”.
 
Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.