“O professor Cláudio Júlio Tognolli informou que a Cátedra resulta de uma articulação pessoal e de uma iniciativa particular. O professor entrou em contato com conhecidos da direção do jornal Folha de S.Paulo para discutir a implantação de tal projeto. O professor informou também que levou a proposta à direção do IEA (Instituto de Estudos Avançados), que concordou em abrigar institucionalmente a Cátedra. E, por fim, o professor Tognolli informou que convidou o professor André Chaves de Melo Silva para integrar, junto com ele, a coordenação da Cátedra”.
 
Essas explicações constam de nota emitida nesta terça-feira (9/3) pelo Conselho do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes (ECA-USP), em referência à sua reunião ordinária realizada no dia 2/3, “tendo em vista a repercussão causada pela criação da Cátedra Otávio Frias Filho de Estudos em Comunicação, Democracia e Diversidade, fruto da parceria entre o jornal Folha de S.Paulo e a Universidade de São Paulo”.
 
O Conselho do CJE, como é conhecido o departamento, debateu o assunto com a participação de Melo Silva, designado pelo IEA como coordenador acadêmico do projeto, e Tognolli, designado pela Folha de S. Paulo como coordenador-adjunto.
 
Na nota, além de se dissociar completamente do projeto, o colegiado do CJE critica aspectos que permanecem obscuros: “A chefia e o Conselho do Departamento ressaltam os princípios da universidade pública e informam que não participaram ou foram informados em nenhum momento da elaboração do projeto. Também não ficaram esclarecidas as bases e contrapartidas da parceria e o porquê de a iniciativa ter sido realizada sem qualquer diálogo com o departamento e apenas diretamente com o IEA (Instituto de Estudos Avançados)”.
 
Por fim, o conselho do CJE enfatiza que “o projeto da Cátedra Otávio Frias Filho de Estudos em Comunicação. Democracia e Diversidade é de iniciativa e responsabilidade exclusiva dos professores envolvidos, do IEA e da Folha de S.Paulo” e que não tem “nenhuma participação e responsabilidade” no projeto, “uma vez que a proposta não passou por nenhuma consulta ou discussão prévia em instância departamental (Conselho e/ou chefia)”.
 
Esclarece ainda a nota, em resposta indireta a uma das informações que constam da reportagem sobre a cátedra publicada em 25/2 pelo Informativo Adusp: “O Departamento de Jornalismo e Editoração da ECA-USP informa que atualmente não oferece disciplinas na sua grade curricular bancadas institucionalmente por empresas jornalísticas e que a relação do departamento com tais empresas será objeto de futuras discussões entre docentes e discentes.”
 
Embora não conste da nota do CJE, que faz alusão apenas a “conhecidos da direção do jornal”, Tognolli citou expressamente na reunião de 2/3 que a ideia de constituir a cátedra surgiu em conversa com Luís Frias, presidente do Grupo Folha e irmão do falecido Otávio Frias Filho. Tognolli e Frias têm uma relação de amizade e são parceiros numa banda de rock que abre os shows do músico Lobão. O assunto teria surgido durante um ensaio ou apresentação da banda.

Íntegra da nota do Conselho do CJE sobre a Cátedra “Otávio Frias Filho”

O Conselho do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, em sua reunião ordinária realizada no dia 2 de março de 2021, tendo em vista a repercussão causada pela criação da Cátedra Otávio Frias Filho de Estudos em Comunicação, Democracia e Diversidade, fruto da parceria entre o jornal Folha de S.Paulo e a Universidade de São Paulo, debateu o assunto com a presença dos professores André Chaves de Melo Silva e Cláudio Júlio Tognolli, que estão à frente desse projeto. As informações prestadas na referida reunião foram as seguintes:
 
1 – O professor Cláudio Júlio Tognolli informou que a Cátedra resulta de uma articulação pessoal e de uma iniciativa particular. O professor entrou em contato com conhecidos da direção do jornal Folha de S.Paulo para discutir a implantação de tal projeto. O professor informou também que levou a proposta à direção do IEA (Instituto de Estudos Avançados), que concordou em abrigar institucionalmente a Cátedra. E, por fim, o professor Tognolli informou que convidou o professor André Chaves de Melo Silva para integrar, junto com ele, a coordenação da Cátedra.
 
2 – A chefia e o Conselho do Departamento ressaltam os princípios da universidade pública e informam que não participaram ou foram informados em nenhum momento da elaboração do projeto. Também não ficaram esclarecidas as bases e contrapartidas da parceria e o porquê de a iniciativa ter sido realizada sem qualquer diálogo com o departamento e apenas diretamente com o IEA (Instituto de Estudos Avançados). Diante dessas informações, o Conselho esclarece que:
 
a-) O projeto da Cátedra Otávio Frias Filho de Estudos em Comunicação. Democracia e Diversidade é de iniciativa e responsabilidade exclusiva dos professores envolvidos, do IEA e da Folha de S.Paulo;
 
b-) O Departamento de Jornalismo e Editoração da ECA-USP não tem nenhuma participação e responsabilidade sobre este projeto uma vez que a proposta não passou por nenhuma consulta ou discussão prévia em instância departamental (Conselho e/ou chefia);
 
c-) O Departamento de Jornalismo e Editoração da ECA-USP informa que atualmente não oferece disciplinas na sua grade curricular bancadas institucionalmente por empresas jornalísticas e que a relação do departamento com tais empresas será objeto de futuras discussões entre docentes e discentes.