O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), informou nesta quarta-feira (4/8) que o acesso aos currículos da Plataforma Lattes está disponível, após onze dias de indisponibilidade (desde 23/7). Contudo, não será possível neste momento proceder a atualizações dos currículos, mas apenas imprimir e baixar os arquivos (download).
 
“A base de dados conta com atualizações feitas até às 18h do dia 23 de julho, dia de início da indisponibilidade dos sistemas”, informou o CNPq. “O trabalho de restauração dos acessos ainda está em andamento, incluindo novas atualizações da base de dados, que serão feitas nos próximos dias, incluindo, nos currículos, as fotos e o número de citações. Lembramos que, devido ao elevado número de acessos que a base provavelmente terá, o sistema pode apresentar alguma lentidão”.
 
Apesar da gravidade do problema, o ministro Marcos Pontes, titular do MCTI e tenente-coronel reformado da Aeronáutica, resolveu fazer piada da situação. “É como furar pneu, não dá para prever, simplesmente acontece. Não há sistema infalível. Pessoal vai morrer por causa disso? Não”.
 
A Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG) reagiu: “Uma enorme falta de respeito com milhares de pesquisadores brasileiros, que têm suas vidas acadêmicas vinculadas ao Lattes. O ministro deveria se envergonhar e pedir desculpas publicamente”, postou a entidade no seu perfil na rede social Twitter.
 
A atitude do ministro Pontes é reveladora de como a ciência vem sendo tratada pelo governo Bolsonaro-Mourão. A pane na Plataforma Lattes certamente tem relação com a tentativa de desmonte de todo o sistema de ciência, tecnologia e inovação brasileiro. O sub-financiamento às universidades e institutos públicos de pesquisa e aos órgãos de suporte, entre eles o CNPq, é revelador do projeto que visa minar a ciência brasileira.
 
Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.