O movimento em defesa da continuidade na USP do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais de Bauru (HRAC), conhecido como “Centrinho”, e da necessária revogação da desvinculação ocorrida em 2014, recebeu importante reforço nesta quinta-feira (24/3), quando a Congregação da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas (FFLCH) aprovou moção a respeito.

Foto: Sintusp

Faixa faz referências às "organizações sociais de saúde"

“A Congregação da Faculdade de Filosofia Letras e Ciência Humanas, reunida em 24/3/2022, manifesta seu apoio à permanência do Hospital de Reabilitação das Anomalias Craniofaciais da USP (HRAC/Centrinho de Bauru) na universidade, dado seu inestimável valor cientifico e humanitário amplamente reconhecido, nacional e internacionalmente”, diz a moção.

“Nesse sentido, dirigimo-nos à Reitoria da USP para que o tema seja pautado no Conselho Universitário [Co], na expectativa de que a controversa decisão tomada em 2014 pela desvinculação do referido hospital possa ser revogada”, arremata.

Havia uma expectativa de participantes da campanha em defesa do HRAC de que já na reunião extraordinária de 29/3 do Co o assunto viesse a ser incluído na pauta. No entanto, essa reunião do Co terá como ponto exclusivo de pauta a apreciação e votação da proposta de reajuste salarial de 20,67% apresentada pelo Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp).

O Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) realizou manifestação no prédio da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) nesta sexta-feira (25/3), estendendo faixas em defesa da permanência do HRAC.