Nota da Diretoria da Adusp referente ao Comunicado da Reitoria sobre uso de máscara nos campi – 23/8/2022

Enquanto a Organização Mundial da Saúde e outros órgãos reguladores estão atentos ao avanço da nova varíola (monkeypox) – considerada uma emergência de saúde pública – e aos baixos índices de vacinação contra Covid-19 nos países menos desenvolvidos, a Reitoria da Universidade de São Paulo desobriga o uso de máscaras nos espaços da universidade, mantendo a obrigatoriedade somente no transporte coletivo e nos serviços de saúde dos campi.

O reitor “agradece e parabeniza a comunidade acadêmica da USP pela adesão ao uso de máscaras e ao esquema vacinal completo no período da pandemia da Covid-19”, fazendo parecer que a pandemia chegou ao fim. Além disso, a Reitoria não faz nenhuma menção às dezenas de mortes na comunidade acadêmica e outras tantas consequências, como a perda de parentes e amiga(o)s e a persistência de sequelas nas pessoas que adoeceram. 

O clima de vitória dado ao comunicado não combina com as mais de duas centenas de mortes diárias há mais de dois meses, muito menos com as 682 mil mortes de brasileira(o)s e quase 6,5 milhões de pessoas mundialmente. 

O comunicado erra no tom e, muito mais, no conteúdo. 

A estagnação do número de mortes, que continua alto, certamente deve-se ao conjunto de medidas que garantem alguma proteção sanitária. A Diretoria da Adusp continua defendendo o que chamamos de quadrado de proteção: vacinação + máscaras + distanciamento físico + ventilação. 

Docentes reunida(o)s em assembleia da Adusp no último dia 16 de agosto deliberaram pela continuidade da luta pelas condições colocadas na versão mais recente do Documento-base para Construção dos Planos Sanitários e Educacionais, cujas medidas de prevenção e de proteção sanitária nos pareceram ainda necessárias. Além disso, o documento trata de condições educacionais para reparar perdas devido à pandemia e ao ensino remoto emergencial, assunto superficialmente tratado pela Reitoria. 

Entendemos que a pandemia de Covid-19 persiste, infelizmente, e que ainda é motivo de preocupação. Além disso, temos avanço no número de casos da nova varíola (cerca de 4 mil no Brasil) e a Prefeitura de São Paulo, por exemplo, recomenda o uso de máscaras, entre outras medidas sanitárias

Preocupa-nos, ainda, a condição da vacinação das crianças, principalmente as menores que ainda não têm o esquema vacinal completo.

Instamos a Reitoria a rever seu posicionamento e a voltar a exigir o uso de máscaras nos espaços da universidade, especialmente nas salas de aula, conforme seu próprio entendimento expressado no comunicado de 18/4/22:  “[...] as atividades acadêmicas exigem que os alunos permaneçam longos períodos próximos uns dos outros em ambientes fechados, o que favorece a transmissão do vírus — mesma lógica que o Estado utiliza para manter a obrigatoriedade no transporte público”.

 

Diretoria da Adusp

25 de agosto de 2022

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.