Reunida por videoconferência em 15/7, após debater o ocorrido pela manhã na segunda rodada de negociação com o Cruesp, a Assembleia Geral da Adusp decidiu manter o indicativo de greve, chamar nova assembleia no dia 19/8 e reforçar a mobilização da categoria, dando destaque à denúncia das agressões protagonizadas pelos reitores na reunião com o Fórum das Seis.

Foram aprovadas, ainda, as seguintes deliberações:

  • Que o Fórum das Seis oficie ao Cruesp para:

a) marcar reuniões do GT salarial para que apresentem os estudos dos impactos dos 3 eixos da reinvindicação salarial:

  • Reajuste de 8% na data-base 2021 referentes à inflação de 2020 e 2021
  • Plano de recomposição salarial tomando como base maio de 2012, com reajustes escalonados trimestrais até o total de 29,81%
  • Valorização dos níveis iniciais das carreiras (docentes e servidora(e)s técnico administrativa(o)s)

b) criação de espaço para construção de planos sanitários e educacionais para retorno presencial, com participação dos 3 setores (estudantes, docentes e funcionária(o)s).

  • Construção de campanha de mobilização até a próxima AG. Fazer edição de trechos do vídeo da reunião com Cruesp destacando 4 eixos:
    • Falas antissindicais
    • Salário
    • Universidade
    • Democracia universitária
       
  • Convocar os GTs de educação, saúde e pandemia da Adusp para que avaliem a possibilidade de se fazer um levantamento das condições de saúde e trabalho do corpo docente.
  • Atualização do Programa da Adusp para a USP, com carta que reforce a necessidade de uma política de valorização salarial, especialmente dos níveis iniciais, a ser apresentado por ocasião da sucessão reitoral.
  • Na AG de 19/8, discutir a possibilidade de um ato presencial para apresentação do documento-base para construção dos planos sanitários e educacionais.