O presente manifesto foi proposto pela assembleia setorial da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, em 6/3/2012, aprovado pelo Conselho de Representantes, em 9/3/2012, e pela Assembleia Geral, em 14/3/2012, como posicionamento da Adusp frente aos últimos atos de intimidação contra a entidade, na figura de seus diretores.

Diante da informação veiculada pela Reitoria da Universidade de São Paulo sobre interpelação judicial de dez professores, todos eles diretores da Associação de Docentes da Universidade de São Paulo, em decorrência de supostas afirmações a eles atribuídas, publicadas em editorial do jornal O Estado de S. Paulo, de 25/2/2012, acerca de como a atual administração emprega as verbas da instituição, declaramos nosso total repúdio a práticas que vêm instaurar um ambiente de intimidação, coibindo a livre expressão acerca da concepção de universidade que defendem. Para que existam garantias democráticas na universidade e para que a liberdade de pensamento prevaleça, condição fundamental para a criação científica de toda sorte, a administração precisa responder a críticas com argumentos e não com processos judiciais.

Os docentes da Universidade de São Paulo não podem estar submetidos a uma gestão que tenta criminalizar aqueles que não aprovam suas prioridades e metas. Em nome da liberdade de pensamento, condenamos veementemente mais esse ato de arbitrariedade da Reitoria.

 

Informativo nº 341