Como parte do Mês da Abolição Interrogada II (a primeira versão foi realizada na USP em 1988, 100 anos após a abolição da escravidão no Brasil), no dia 17/5 o Núcleo de Consciência Negra (NCN) fará evento para comemorar seus 26 anos de existência (e resistência!) na Cidade Universitária. Na data, entre outras atividades, será oficialmente lançada uma campanha para o recolhimento de assinaturas em prol da criação da Casa de Cultura Negra da USP. Um abaixo-assinado online já está disponível (em http://goo.gl/pPt64).

“Reivindicamos a criação da Casa da Cultura Negra da USP, pois temos uma vasta história dentro da Universidade, somos numericamente a maioria da população brasileira, mas ainda uma minoria política que não descansará enquanto não tiver seus anseios e direitos de inclusão plenamente atendidos”, diz trecho do texto que explica a causa a apoiadores no site peticaopublica.com.

A Casa da Cultura Negra é uma antiga reivindicação do NCN, que desde sua criação, em 1987, enfrenta problemas para firmar convênio com a Reitoria e, assim, formalizar a situação de seu espaço no campus Butantã. A entidade está sob ameaça de ter sua sede demolida, desde que foram anunciadas e iniciadas as obras para a criação do Centro de Difusão Internacional e da “Nova ECA” na região dos barracões, ao lado da FEA.

Como noticiado na edição da primeira quinzena de maio do Jornal do Campus, a ideia já recebeu o apoio da FFLCH. “Acho importante a criação da Casa de Cultura Negra, a FFLCH apoia a iniciativa do Núcleo. Estamos apenas aguardando a forma­lização do pedido à Univer­sidade”, diz Sérgio Adorno, diretor da unidade, em entrevista ao veículo. A FFLCH foi escolhida por membros do NCN para ser responsável por um Núcleo de Apoio à Cultura e Extensão (NACE) que abarque projetos sobre questões étnico-raciais. Porém, a criação do NACE não garante espaço físico para o desenvol­vi­men­to das atividades da entidade.

Segundo Leandro Salvático, um dos coordenadores do NCN, as assinaturas são necessárias do ponto de vista polí­ti­co. “Queremos criar um ambiente que obrigue a USP a ver a necessidade desse espaço. É vital que a gente reconheça a importância da cultura negra dentro da nossa sociedade”, declara em entrevista ao Jornal do Campus

 

Informativo nº 363

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.