Conforme informamos no Expresso Adusp 89 (3/1/07), o governador Lembo vetou — no último dia de seu mandato e após consultar o governador eleito, José Serra — as propostas para a Educação feitas pelo Fórum das Seis e que foram incorporadas na Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2007 (LDO-2007) aprovada pela Alesp.

Vale a pena relembrar aqui os diversos dispositivos da LDO-2007 vetados por Lembo:

  1. O caput do artigo 4º, que destinava 10% do ICMS Quota-Parte do Estado (QPE) para as universidades estaduais, incluindo a receita proveniente da dívida ativa;
  2. O parágrafo 1º do artigo 4º, que destinava 10% da Lei Kandir para as universidades;
  3. O parágrafo 2º do artigo 4º, que destinava adicionais 0,43% do ICMS-QPE, incluindo a receita proveniente da dívida ativa, para a expansão de vagas nas universidades estaduais;
  4. O artigo 5º, que destinava 1% do ICMS-QPE, incluindo 1% da Lei Kandir e a receita proveniente da dívida ativa para o Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (Ceeteps);
  5. O artigo 5º, que destinava 31% do total da receita de impostos para a Educação Pública no Estado de São Paulo. Cabe lembrar que tanto o investimento nas universidades estaduais, constantes do artigo 4º, quanto o destinado ao Ceeteps, estão incluídos nestes 31% da receita total de impostos;
  6. Os incisos III e IV do parágrafo 2º do artigo 28; o inciso IV continha a exclusão de eventuais contingenciamentos para programas tais como: Modernização da Segurança Pública, Família Cidadã — Ações Sociais Integradas, Proteção Social Básica e Especial, Apoio a Expansão e Melhoria do Ensino Médio, Expansão dos Ensinos Públicos Técnico e Tecnológico;
  7. O Artigo 37, que garantia a criação de um módulo específico para acompanhamento da execução orçamentária referente às alterações nos valores das dotações aprovadas pela Alesp na proposta orçamentária encaminhada originalmente pelo Executivo;
  8. O Artigo 38, que exigia que as aplicações dos recursos do governo nas diversas regiões administrativas e municípios fosse pautada pelo Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS) e pelo Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M), com o intuito de constituir políticas de superação da exclusão social e das diferenças inter-regionais.

Por outro lado, Lembo manteve os níveis de renúncia fiscal constantes do Anexo de Metas Fiscais para 2007, 2008 e 2009 (propostos pelo governo e mantidos pela Alesp), que são de incríveis 8,4%!

Previsão da Participação da Renúncia Fiscal na Arrecadação do ICMS
(QPE, em R$ milhões)
Ano Arrecadação Isenção Perda de arrecadação Arrecadação Potencial
2007 43.696,0 8,4% 3.680,1 47.376,1
2008 46.700,6 8,4% 3.933,1 50.633,7
2009 49.849,3 8,4% 4.198,3 54.047,6

A tabela reproduzida ao lado aparece no Anexo mencionado (DOE-SP, sábado, 30/12/06, Poder Executivo, Seção I, pag. 32):

Na ocasião do veto, dizíamos: “O que será que o novo governador, José Serra, tem a ver com os vetos de Lembo? É difícil acreditar que, dois dias antes de sua posse, Serra fosse a favor das medidas vetadas e, mesmo assim, seus aliados de campanha e de governo vetassem tais medidas defensoras da Educação Pública no Estado, de maior transparência da execução orçamentária e de diretrizes concretas de utilização dos recursos públicos para diminuir a exclusão social e as diferenças inter-regionais...”.

Hoje, as primeiras iniciativas tomadas pelo novo governo — participação no veto à LDO, ataque à autonomia universitária, centralização de poder no Executivo, fragmentação ainda maior da Educação etc. — nos levam a crer que Serra não tratará a Educação em geral, nem a educação superior em especial, com os cuidados que o Fórum das Seis sempre defendeu e que, em parte, já conquistou.

Derrubar o veto

O Executivo e seus aliados querem dar o veto como fato consumado e debater a LO-2007 com base em seus próprios interesses, bem distintos dos nossos, sobretudo no que se refere à defesa dos direitos sociais, como a Educação e a Saúde públicas. O Fórum das Seis tem procurado os deputados na Alesp para convencê-los da necessidade de, antes de discutir a LO-2007, debater, isto sim, o veto do Executivo à LDO-2007 aprovada pela casa legislativa.

Cabe lembrar que, assim como a pressão política exercida pelo Fórum das Seis fez a Alesp aprovar uma LDO-2007 que nos interessa, podemos igualmente exercer a pressão necessária para que o Legislativo derrube os vetos de Lembo/Serra àquela LDO e prevaleça a independência dos poderes.

Afinal, nossa luta constante durante a elaboração de peças de planejamento do Estado (LDO, LO etc.) tem criado uma tradição que questiona os interesses dos governantes de plantão, muitas vezes “democratas” referendados apenas e tão-somente pelo jogo, nem sempre limpo, que ocorre durante as eleições. É preciso que os vetos de Lembo/Serra sejam derrubados antes do início da nova legislatura, em março próximo. Organização e luta são as palavras de ordem neste momento!

 

Matéria publicada no Informativo nº 229

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.