Em reunião de negociação com o Fórum das Seis no dia 17/3, o Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) assumiu o compromisso de agendar “em duas ou três semanas” o primeiro encontro do grupo de trabalho para debater perdas salariais e mecanismos de valorização dos níveis iniciais das carreiras na USP, Unesp e Unicamp.

No entanto, passados quatro meses, a reunião não foi marcada e o Cruesp sequer responde aos ofícios das entidades, registra o Boletim do Fórum das Seis publicado no dia 12/7.

Da mesma forma, os reitores não agendaram negociação sobre a data-base de 2022, cuja Pauta de Reivindicações o Fórum protocolou no dia 13/4.

De março, quando foi concedido o reajuste referente ao período de maio de 2019 a fevereiro de 2022, a junho, a inflação já chegou a quase 4%, segundo o INPC/IBGE.

Reunidas em 5/7, as entidades que compõem o Fórum das Seis aprovaram a realização de uma rodada de assembleias de base até 19/8 para discutir indicativos de mobilização, entre eles a possibilidade de não dar início às atividades do segundo semestre letivo caso não haja agendamento de reunião pelo Cruesp.

Comprometimento com folha é de 68,81%, o menor desde a autonomia de 1989

A arrecadação do ICMS vem se mantendo alta em 2022. Em junho, os valores da quota-parte do estado (75% do total) ficaram em R$ 12,662 bilhões, 15,98% superiores ao mesmo mês de 2021. 

A arrecadação do ICMS-QPE de janeiro a junho sinaliza que o resultado de 2022 será significativamente superior ao previsto.

Mesmo com o reajuste de 20,67% concedido em março, o comprometimento médio das universidades com folha de pagamento manteve-se quase inalterado, chegando a 68,81% em junho (68,17% na USP, 66,58% na Unesp e 72,67% na Unicamp), de acordo com a planilha do Cruesp.

Trata-se do menor nível de comprometimento desde o advento da autonomia universitária, em 1989. Portanto, há espaço financeiro nas universidades para discutir e implementar um plano de recuperação das perdas salariais e de valorização dos níveis iniciais das carreiras, defende o Fórum das Seis.

No dia 11/7, a coordenação do Fórum encaminhou novo ofício ao Cruesp reivindicando: 1) Agendamento de reunião para discussão da Pauta Unificada de Reivindicações 2022, relativa à data-base deste ano, e 2) definição da data para a primeira reunião do grupo de trabalho.

O Fórum das Seis também solicitou o agendamento de uma reunião técnica para discutir os impactos da Lei Complementar (LC) 194/2022 no financiamento das universidades.

A lei estabelece um teto a ser aplicado pelos estados nas alíquotas de ICMS sobre combustíveis, gás natural, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo. Em São Paulo, o limite é de 18%.

Na avaliação das entidades, as reitorias podem se valer da alegação de eventual queda na arrecadação do ICMS para justificar uma política de arrocho salarial.

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.